Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Confronto em protesto deixa feridos em Fortaleza

Sociedade

Copa das Confederações

Confronto em protesto deixa feridos em Fortaleza

por Redação — publicado 27/06/2013 17h20, última modificação 27/06/2013 20h07
Partes dos manifestantes tentou furar o bloqueio da polícia e se aproximar da Arena Castelão
Yasuyoshi Chiba / AFP
Protesto em Fortaleza

Carro da TV Diário, do Ceará, foi queimado por manifestantes

Como ocorreu na quarta-feira 26, em Belo Horizonte, os protestos realizados nesta quinta-feira 27, em Fortaleza, para coincidir com a semifinal da Copa das Confederações, acabaram em violência entre policiais militares e manifestantes. Segundo levantamento oficial, há sete pessoas feridas e cinco presas.

O protesto teve início nas cercanias da Universidade Estadual do Ceará, de onde um grupo de cerca de mil pessoas iniciou uma marcha para a Arena Castelão, estádio da Copa das Confederações onde Itália e Espanha se enfrentam. Ao chegar ao local, o grupo tinha, segundo dados da Polícia Militar, cerca de 5 mil pessoas.

Segundo relatos dos jornais O Povo, do Ceará, e Folha de S.Paulo, a violência nesta quinta-feira foi iniciada pelos manifestantes. Parte das pessoas que integravam o protesto atacou a PM com pedras, paus, rojões, bolas de gude e bombas incendiárias quando tentava furar o bloqueio policial e rumar para o estádio. Enquanto alguns manifestantes tentavam furar o bloqueio, outra parte tentava recompor as barreiras erguidas pela polícia, como sinal de que não desejavam violência.

A polícia reagiu, segundo os mesmos jornais, com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de balas de borracha. Cinco policiais e dois manifestantes ficaram feridos. Em meio ao conflito, um carro da TV Diário, do Grupo Verdes Mares, foi incendiado pelos manifestantes.

Segundo diversos manifestantes afirmaram em redes sociais, a polícia teria usado um "canhão sônico", arma não letal que dispara ruído capaz de provocar desorientação, náuseas e dores pelo corpo. Segundo o jornal O Povo, a Guarda Municipal e a Polícia Militar negaram ter usado o equipamento.

Como ocorre em todos os jogos da Copa das Confederações e como vai ocorrer na Copa do Mundo, as cercanias das arenas são isoladas pelas forças de segurança – apenas torcedores com ingressos e pessoas credenciadas pela Fifa podem chegar perto do estádio.