Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Ato cobra de Alckmin a punição pela chacina com 19 mortos em Osasco

Sociedade

Violência

Ato cobra de Alckmin a punição pela chacina com 19 mortos em Osasco

por Agência Brasil publicado 28/08/2015 09h36, última modificação 28/08/2015 09h48
Manifestantes colocaram 19 sacos pretos na avenida Paulista, simulando os corpos dos mortos na Grande São Paulo. Até agora do governo efetuou apenas uma prisão preventiva
Reprodução / Tv Record
chacina-osasco

Na imagem da Tv Record, sacos pretos simulam, na avenida Paulista, os 19 mortos em Osasco

Voluntários da organização não-governamental (ONG) Rio de Paz fazem um ato na manhã desta sexta-feira 28 em solidariedade às famílias das 19 pessoas assassinadas em chacina que ocorreu no último dia 13 nas cidades de Osasco e Barueri e para cobrar o governo do Estado de São Paulo pela identificação e punição pelos responsáveis pelo crime.

Os ativistas colocaram 19 sacos pretos com os nomes das vítimas sobre a calçada em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp) para chamar a atenção de quem passava pelo local. Os voluntários também se vestiram de preto e se amordaçaram.

Na última segunda-feira 24, o secretário de Segurança Pública Alexandre de Moraes já havia sido cobrado por estudantes da Faculdade de Direito da USP.

Esse é o segundo ato promovido pela ONG que, na semana passada, fez manifestação semelhante, no mesmo local. Cláudio Nishikawara, voluntário da Rio de Paz, que coordena o ato, diz que o objetivo é alertar sobre o que acontece nas periferias e com a população pobre. “Estamos cobrando das autoridades uma elucidação rápida. Já são duas semanas e nós não sabemos nada sobre o que aconteceu. Nada está claro”, declarou.

Segundo ele, outros eventos serão organizados para cobrar a elucidação dos crimes. “A intenção é chamar a atenção da sociedade paulistana, classe média, classe média alta, sobre o que acontece na periferia, a violência a que as pessoas são submetidas. Acreditamos que quem mais tem voz, visibilidade para cobrar as autoridades, é a classe média”, diz ele.

A auxiliar de enfermagem Nair Diniz, 50 anos, conta que a chacina em Barueri aconteceu na rua de sua casa. Segundo ela, a vizinhança vive um clima de medo desde o ocorrido. “Eu não conhecia as pessoas, mas o medo ronda. Eles avisam que é para entrar [em casa] às 22 horas. Deixam avisado para ninguém sair, porque eles vão matar mesmo”, disse.

chacina-osasco-avenida-paulista
Os manifestantes cobram uma solução do governo do Estado de São Paulo

A estudante de jornalismo, Ana Beatriz Issler, 18 anos, parou para tirar fotos dos sacos pretos. “É uma imagem horrível de se ver. É pesado porque a gente não tem muitas informações sobre o que exatamente aconteceu nessa chacina. Dá um desanimo, mas é um bom protesto”, disse.

Ontem (27), foi enterrada a última vítima do crime: a adolescente Letícia Vieira Hillebrand da Silva, de 15 anos. Letícia estava na calçada, com uma amiga, na Rua Suzano, em Osasco, quando foi atingida por um tiro.

Na última quarta-feira (26), a Justiça Militar do estado de São Paulo decretou a prisão preventiva do soldado Fabricio Emmanuel Eleutério, suspeito de ter participado da chacina. Ele foi reconhecido pessoalmente por um sobrevivente. O soldado nega a participação.