Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / A ocupação do Complexo do Alemão. E as análises sobre a guerra ao tráfico no Rio

Sociedade

Violência no Rio

A ocupação do Complexo do Alemão. E as análises sobre a guerra ao tráfico no Rio

por Celso Marcondes — publicado 28/11/2010 11h37, última modificação 06/06/2015 18h17
Ao vivo, a televisão acompanha a tomada do principal ponto de tráfico da cidade. Neste espaço, uma coletânea de artigos de especialistas. Leia e deixe sua opinião

A ocupação do Morro do Alemão começou às 7h50 deste domingo 28. Televisão e rádio com transmissão ao vivo nos dão conta que a maioria da população carioca apoia a ação e que a esmagadora maioria dos moradores do Alemão não tem nada a ver com os traficantes. O comandante da PM aparece na tela e o repórter informa que ele orienta seus homens - são mais de 2 mil entre militares, civis e das Forças Armadas - a "revistar casa a casa" para encontrar os marginais. Calcula-se em 30 mil o número de residências a passar por este procedimento.

Apenas tiroteios esparsos aconteceram até as 11h10 horas desta manhã, não houve até então uma grande resistência, para surpresa de todos.

Direto do local da ação, a internet é a arma de moradores acuados  e amedrontados para expressar suas opiniões. Se você quiser conhecê-los, acesse pelo Twittter @vozdacomunidade.

"O confronto será inevitável a qualquer momento, informa à CBN o ex-capitão do BOPE, Paulo Storani. E informa que os moradores "têm que compreender" que será inevitável a entrada dos militares em suas casas.

O que virá ao longo do dia? Ninguém sabe. Apenas lembro dos domingos em que acordava mais cedo para assistir um jogo decisivo de voleibol ou uma corrida histórica de Ayrton Senna na Fórmula 1. Era sempre tenso. E nem sempre acabava com um final feliz.

Enquanto isso, leia as análises sobre a situação que publicamos aqui nos últimos dias e dê a sua opinião no espaço abaixo destinado aos comentários. Wálter Maierovitch, Maurício Dias, Paulo Vannuchi, Luiz Eduardo Soares, Vladimir Palmeira, Marcelo Freixo, Chico Alencar, Plínio de Arruda Sampaio, José Cláudio Souza Soares e a ONG "Observatório das Favelas" fazem aqui suas avaliações. CartaCapital pretende assim contribuir com o debate sobre esta situação tão grave e tão complexa que o País enfrenta.

Wálter Maierovitch, em 24/11/2010:

Paolo Manzo, em 25/11/2010:

Wálter Maierovitch, em 25/11/2010:

Walter Maierovitch, em 26/11/2020:

Marcelo Freixo, em 25/10/2010:
Marcelo Freixo, em 24/11/2010:

Vladimir Palmeira, em 25/11/2010:

Prof. José Cláudio Souza Alves, em 25/11/2010:

Mauricio Dias, em 26/11/2010:

Plínio Arruda Sampaio, em 26/11/2010:

Página 12, argentino, em 26/11/2010:

Bahia de Fato, em 26/11/2010:

, em 26/11/2010

Chico Alencar, em 26/11/2010:

Observatório de Favelas, em 27/11/2010

Luiz Eduardo Soares, em 27/11/2010: