Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / A ladainha do atraso

Sociedade

Artigo / Roberto Amaral

A ladainha do atraso

por Roberto Amaral publicado 12/02/2014 06h11
Imagem de garoto amarrado ao poste mostra um Brasil agarrado com todas as forças ao passado para impedir o nascimento do futuro
Eduardo Coutinho

Cena do filme Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho

 

“Olhando da perspectiva do tempo, é pena que o brasileiro não seja mais cordial, como antes afirmavam os cientistas sociais”.

Carlos Heitor Cony, Folha de S. Paulo, 9.2.14.

 

Enquanto a novela do canal onipresente escancara “o primeiro beijo gay da televisão brasileira”, a Folha de S. Paulo, (9.2.14) anuncia que “Medo de agressão faz gays andarem em grupo em SP”. Um autonomeado ‘justiceiro’ mata, em plena luz do dia, à queima roupa, um ‘suspeito’ de 20 anos de idade. O horror que explode no tristemente famoso complexo de Pedrinhas, no Maranhão, é um mero indicador da violência do sistema penitenciário brasileiro, uma micro amostra da crise social brasileira.

Os jornais do Rio de Janeiro noticiam que ‘milícias’ de jovens ‘justiceiros’, para alívio de uns e medo de outros, percorrem as deliciosas ruas do bairro do Flamengo, dia e noite, não para namorar, mas para  ‘limpar’ o bairro das presenças indesejáveis de mendigos e pequenos delinquentes, porque dos outros deve cuidar a polícia.

Dessas blitzes sanitárias tivemos recentemente ilustrativo retrato. Um grupo de jovens de classe-média – desses ‘meninos’ que andam de bermudas, calçam tênis e brincam de skate nas calçadas--,  prendeu um trombadinha de 15 anos de idade, surrou-o e o deixou preso, nu, atado  a um poste – pelourinho pós-moderno - por uma trava  de bicicleta, que mais lembrava o garrote vil da Espanha franquista. A ação foi digna dos grupos Ku-Klux-Klan de triste memória, e as fotos estampadas pela imprensa lembram a África do Sul do apartheid, deixando-nos a amarga pergunta: recuamos tanto assim em nosso processo civilizatório? A barbárie, porém, é festejada em prosa e verso por locutores, chamados inapropriadamente de ‘âncoras’, portanto jornalistas, de um dos telejornais brasileiros e por seus êmulos nas dezenas de programas policiais, reacionários por definição.

A foto, na dramaticidade que só a imagem encerra, revela a presença, forte, potente, da tradição oligárquica e racista produzida por 300 anos de escravidão e iniquidade. Mas revela principalmente os novos tempos em construção. Lembra o Brasil arcaico que queremos superar – aquele Brasil que o saudoso Eduardo Coutinho fotografou, para denunciar, no seu imortal ‘Cabra marcado para morrer’. Um Brasil ainda muito forte que se agarra com todas as forças no passado para impedir o nascimento do futuro. O velho, cheio de vigor, ameaça o novo, sem forças para nascer. É o Brasil da casa- grande que não se conforma com a implosão da senzala, na qual, assim pensa a classe dominante, deveriam estar, ainda hoje, os muitos que não cabem na pequena mesa onde se banqueteiam os poucos donos do poder.

Penetrando pelos sulcos abertos pelo autoritarismo larvar, a visão de mundo de direita se espalha pela sociedade e está presente nas instituições, nas relações sociais, nas relações interpessoais, nas relações econômicas e nas relações políticas,  empedrando corações e manipulando mentes. Construindo homens e mulheres de cidadania diferenciada,  segundo a renda, a cor, o gênero, a origem, a naturalidade.  Não se trata de caruncho carcomendo entranhas, mas de um vírus. Espero estar enganado, mas desconfio de que, se não lhe for  oposta resistência, breve essa peçonha poderá ter infectado todo o organismo social.

O tal de ‘rolezinho’, um passeio programado de jovens pelos shoppings de luxo em São Paulo, é reprimido por seguranças privados, armas em punho, pela Polícia, e, inacreditavelmente, proibido pela Justiça, que deveria assegurar o direito de ir e vir de todos, se não fosse uma justiça de classe, de olhos bem abertos para ver as diferenças e proteger o mais forte.  O espaço público é de todos, mas esses jovens vêm, na sua maioria, das periferias e, por isso, são negros e pobres. Com a ascensão social e econômica passaram a reivindicar o direito de circular nos salões até aqui inacessíveis. Ora, na sociedade de classes o bom pobre é aquele que ‘conhece o seu lugar’, a saber, fora do templo do consumo, onde sua presença só faze perturbar a consciência tranquila da pequena burguesia, que supõe ela,  nada ter a ver com a pobreza e a concentração de renda, de que é simplesmente a beneficiária. Torna-se insuportável a presença desses pobres intrometidos que, até, já deram adeus aos ônibus interestaduais e viajam de avião ‘entulhando os aeroportos’.

No Rio de Janeiro, virou moda subir o morro ‘pacificado’ e desfrutar da linda vista do Vidigal ou do Chapéu Mangueira. A classe média e turistas confraternizam. Descer o morro, entretanto, nem pensar! Imagina se amanhã os pobres resolvem governar?

Na Câmara dos Deputados, um conhecido parlamentar, ex-oficial do Exército, bem formado e bem nutrido pela caserna, vocaliza o pensamento de direita que contamina a classe-média brasileira e aplaude a violência: “Praticaram [os agressores] um ato corajoso [30 jovens parrudos contra um menino de 15 anos...] quem deu uma surra nesse vagabundo, porque os moradores estão cansados de serem roubados e assaltados por essa gentalha”.

É em nome de tais valores que pleiteia a presidência da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos. Nos púlpitos eletrônicos, inconstitucionais, nossa gente, crédula, prostra-se à mercê da pregação diária do primitivismo e do medo, medo que passa a ser a característica de nossos tempos. Com seu óbolo, seu dízimo, sua esmola, tirados do arroz e do feijão, enriquece empresas de toda sorte, inclusive poderosas empresas de comunicação, mas guarda a esperança de que, se aqui na terra a vida é tão severina, no além que lhe promete o pregador terá a vida eterna.

Diariamente nas emissoras de rádio, o tempo todo, nos finas de tarde nos canais de televisão, o cantochão é a ladainha do atraso. As programações das rádios (valho-me do que ouço nos táxis), em todo os país,  a toda hora mas pela manhã principalmente, reunindo grupos de idiotas adrede selecionados, em programas de falsos debates, abusa-se do direito de desinformar e formar mal, defende-se a violência  como resposta à violência, a discriminação e os preconceitos mais primários.  No altar da irresponsabilidade  o pleito da pena de morte,  a exaltação da repressão policial como alternativa a ‘uma Justiça que não pune’ e a um Poder Legislativo que não vota a redução da maioridade penal.  Este, aliás, é Poder execrado. E para todos eles, os tais ‘debatedores’, o grande mal é a política e os políticos, sem os quais não há democracia alguma, uma das lições  da última ditadura, instaurada em 1964 exatamente para livrar a nação dos políticos e da política. Deu no que deu. Para compreender o filme será necessário pedir uma reprise?

É sempre assim que o ovo da serpente é chocado.

Em nome da liberdade de imprensa, e em plena democracia, hoje, desapareceu o debate, desapareceu o contraditório, desapareceu o confronto ideológico, restrito a dois ou três ‘jurássicos’ com seus textos circulando em públicos restritos.  Em seu lugar foi instaurado o discurso monocórdio da direita, unívoco, a mesma ideologia, repitamos sempre,  que construiu as bases políticas do golpe militar que, em nome da democracia, a aboliu por 20 anos.

A direita parece haver ganho uma guerra que não precisou disputar. O adversário capitulou.

Longe do articulista temer o avanço político ou mesmo eleitoral dessa direita. Ela sempre perdeu as eleições e vem sendo derrotada seguidamente pelo voto popular, pelo que a única alternativa que conhece é o golpe de Estado. Por isso repudia a política e os políticos, e se coloca à margem dos Partidos.

A questão que procuro sublinhar é o espaço crescente que passa a ocupar em nosso país o pensamento da direita orgânica. Ele ocupa hoje todos os aparelhos ideológicos; está na burocracia e na tecnoburocracia; está nas salas de aula; está no Poder Judiciário, está no  Poder Legislativo em seus diversos níveis; avança, até, entre o chamado mundo do espetáculo. Se começa pela grande imprensa, transborda para a Academia, passando pelos movimentos estudantil (aí estão osblack blocs, de nítida inspiração fascista) e sindical, este de corte puramente econômico e dominado pelo ‘sindicalismo de resultados’. Aliás, buscar resultados, tão só o resultado, a qualquer preço, inocular como valor essencial  o ‘ganhar a vida’  a qualquer preço, ao preço até da honra, o mais rapidamente possível, se possível sem muito trabalho (para isso está de portas abertas o mercado financeiro), a velha doutrina do ‘levar vantagem sempre’, essa é a grande vitória da direita no Brasil.  Na contra-face, a ausência do pensamento progressista, na medida em que os partidos revolucionários sucumbiram e os partidos que se dizem de esquerda são dominados pelo império do sucesso eleitoral, este também a qualquer preço, mesmo que seja ao preço da renúncia a programas e doutrinas.

Desapareceram, como formuladoras de pensamento e ação, e assim mobilizadoras da chamada ‘opinião pública’, as grandes entidades da sociedade civil, hoje fantasmas de um passado que não conseguem reviver, pois a história não dá meia-volta. Não são mais os estudantes que saem às ruas mobilizados por suas entidades de classe. São os jovens desorganizados em busca de causa. Extinguiu-se o que o sempre saudoso Antônio Houaiss chamava de ‘pensação’, a arte (dever) do livre pensar, mas pensar sempre, produzir sempre. Pensar o Brasil, suas crises e suas soluções, pensar o povo brasileiro.

Na ausência do pensamento de esquerda, silente,  na ausência do pensamento e da formulação socialistas (órfãos) cresce  o avanço  ideológico da direita, monopolizando as correias de transmissão de idéias, doutrinas, a divulgação do pensamento, a formação de militantes, de quadros, de pensadores, de formuladores.

Não há mais necessidade dos Chicago boys. Eles podem ser formados aqui mesmo.

Leia mais em www.ramaral.org

registrado em: , ,