Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / A crucificação da artista transexual

Sociedade

Direitos LGBT

A crucificação da artista transexual

por Jean Wyllys publicado 08/06/2015 19h17
Notas sobre a epidemia de estupidez, a "indignação" seletiva e as estratégias de difamação
Divulgação
Crucificação

Se é assim, por que essa celeuma em torno do protesto da artista transexual?

A iconografia cristã católica (ou seja, as representações dos "santos" e "mártires" reconhecidos pela Igreja Católica ao longo de sua existência) e as narrativas que lhe deram origem e lhes sustentam (a Bíblia e a hagiografia) vêm servindo de inspiração e material para as artes laicas desde a Independência Americana (1776) e a Revolução Francesa (1789) - eventos marcantes da emergência do que chamamos de modernidade ocidental, pautada não só pela separação entre Estado e religião (transformando esta última num direito individual, em vez de um dever público) mas pautada também nas liberdades civis - até os dias de hoje. 

Não apenas artistas das mais variadas expressões se apropriaram desse acervo - seja para questionar os valores morais veiculados por essa iconografia e narrativas, expondo contradições e hipocrisias da instituição que lhes sustenta (não é segredo pra qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento da nossa história que a Igreja Católica empreendeu um morticínio ao longo dos séculos para se impor como religião a diferentes nações e teve participação direta na disseminação do antissemitismo, na escravidão de negros africanos e na aculturação violenta dos povos ameríndios; sem falar no envolvimento de membros do alto e do baixo cleros em exploração sexual de crianças e adolescentes e venda de indulgências), seja por pura identificação estética (as cores e o erotismo sadomasoquista evidente em boa parte da iconografia cristã, sobretudo naquela produzida por artistas homossexuais do Barroco e da Renascença, sempre fascinaram cineastas, fotógrafos e cenógrafos) - como também a indústria cultural e a publicidade se apropriaram desse acervo para venderem seus produtos.

Das charges e literaturas anticlericais do século XVIII à capa da revista Placar com o jogador Neymar crucificado, passando pelo "Evangelho segundo Jesus Cristo", de José Saramago, pelo filme "A última tentação de Cristo", de Martin Scorsese, e pelo Cristo negro do videoclipe de "Like a prayer", de Madonna, a produção cultural secular há tempos se apropria da iconografia e narrativas cristãs para mostrar o quanto as igrejas, ao longo desses séculos, comportam-se ora como promotoras de vida ora como máquinas de morte e sofrimento. E a laicidade dos estados modernos e democráticos de direito impediu que essas igrejas condenassem ao suplício e/ou à morte na fogueira - como o fizeram até a emergência da modernidade cultural - os artistas e intelectuais que expõem suas contradições e fraquezas em obras artísticas.

Se é assim, então por que essa celeuma toda em torno da apropriação da iconografia da crucificação de Jesus feita por uma artista transexual na Parada LGBT de São Paulo? Por que essa apropriação merece mais repúdio e "indignação" do que, por exemplo, as capas de Veja e Placar ou do que o Cristo alegórico de Joãozinho Trinta no Carnaval do Rio ou mesmo do que as esquetes do humorístico Porta dos Fundos no YouTube?

Ora, porque se trata de uma representação feita por um membro da comunidade LGBT! A celeuma - iniciada e estimulada por lideranças político-religiosas oportunistas, demagógicas e intelectualmente desonestas - tem, portanto, o objetivo claro de difamar lésbicas, gays, bissexuais e transexuais por meio da manipulação dos preconceitos anti-homossexuais históricos ainda arraigados no coração e na mente da maioria da população. Por que esses pastores e deputados-pastores e seu rebanho de ovelhas obedientes que não pensam não atacaram Neymar? Ora, pelo mesmos motivo que eles decidiram boicotar O Boticário por causa de uma campanha em favor da diversidade de relações afetivas, mas silenciaram em relação às empresas acusadas de manterem trabalhadores em situação análoga à escravidão e de crimes ambientais! Ou seja, a preocupação dessa gente não é com valores verdadeiramente morais e éticos, mas tão somente com a perseguição sistemática de uma comunidade que é estratégica em seu avanço sobre as pessoas e a política por meio da exploração comercial da fé e dos medos que rende fortunas que, de tão obscenas, já foram parar na capa da Forbes!

Essa manipulação de preconceitos por parte dessas lideranças religiosas só é possível graças à estupidez contagiosa que vem tomando conta das pessoas em suas relações sociais dentro e fora da internet e que elas, as tais lideranças, ajudaram a espalhar. Ela só é possível porque o Estado brasileiro não garantiu à maioria da população, por meio do sistema de ensino, uma educação de qualidade que não só lhe trouxesse a capacidade de pensar e ler criticamente o mundo, o que lhe permitiria se defender dos discursos enganosos e manipuladores, mas também uma ampliação do repertório cultural. Se mais de 70% da população brasileira não lê livros, como esperar que essas pessoas reconheçam e interpretem, por exemplo, a expressão artística do Teatro Oficina, com sua trilogia sobre os Mistérios Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, ou as obras iconoclastas do artista plástico argentino León Ferrari? Ou mesmo a própria iconografia cristã, que esconde sentidos que até mesmo a leitura de um best-seller como "O código Da Vinci", de Dan Brown, é capaz de apontar?

Na falta de um repertório cultural mais amplo e da capacidade de pensar criticamente e de discernir; contaminadas pela estupidez disseminada na internet por fascistas apedeutas e vigaristas ocupados na exploração comercial da fé alheia; e interpeladas em seus preconceitos anti-homossexuais históricos e arraigados, as pessoas só poderiam mesmo embarcar nessa celeuma homofóbica, escrevendo, em português fora da norma, seus insultos contra LGBTs e suas declarações de apoio aos canalhas manipuladores - sim, porque, na cabeça dessa gente, é mais grave uma recriação artística da crucificação de Cristo do que o uso do nome de Jesus para vender falsos milagres e vassouras ungidas e para pedir a senha do cartão de crédito de fiéis.

O reflexo eleitoral dessa ausência de pensamento crítico e pobreza de repertório cultural por parte de parcela expressiva da população é evidente na Câmara Federal, onde deputados ignorantes, preconceituosos e autoritários rebaixam o debate político e, evocando suas votações expressivas nas últimas eleições, querem impor, aos demais parlamentares e aos intelectuais convidados para audiências públicas, sua estupidez constrangedora. Não me espanta que muita gente caia nessa celeuma já que foi também capaz de eleger deputados que chamam o urucum de "tinta do diabo" e negam que haja racismo no Brasil - Isso para não falar dos que negam a evolução das espécies e dos que querem que a Constituição diga que "todo poder emana de Deus" e não do povo!

Não vou aqui interpretar a performance da artista transexual porque seus sentidos me parecem óbvio demais: se Jesus foi marginal em sua época e, por isso, condenado à pena de morte por crucificação, nada mais pertinente do que usar esse episódio como metáfora da pena de morte a que estão condenadas as transexuais e travestis no Brasil, marginais da contemporaneidade. Até mesmo muitos gays de classe média e média-alta foram incapazes de extrair sentido tão óbvio da performance artística transexual, o que mostra que as viagens ao exterior, a música eletrônica, as drogas sintéticas consumidas nas baladas, as calças da Diesel e as cuecas da Calvin Klein não os tornam imunes à epidemia de estupidez nem à homofobia internalizada, ao contrário! Leitura, informação, estudo, artes vivas e canja de galinha não fazem mal a ninguém e saem mais em conta que os óculos Gucci e a rave da Skol.

E da próxima vez que forem escrever "Je suis Charlie" em seus perfis no Facebook, lembrem-se de que aqui nós também gozamos da liberdade constitucional de criticar através de expressões artísticas os dogmas e contradições e das religiões - e isso está longe de se confundir com intolerância religiosa! Intolerância religiosa é pastor mandar seus fiéis invadirem terreiros de Candomblé para depredar seus orixás ou evangélico fanático urinar sobre a imagem de Nossa Senhora. 

Uma sociedade verdadeiramente democrática, se quiser continuar assim, ao mesmo tempo que garanta a liberdade de crença a todos os que crêem, deverá cuidar para que quaisquer religiões (em especial as cristãs) e seus porta-vozes não extrapolem a esfera que lhes compete - que é a esfera privada - e deverá impedir que se infiltrem ainda mais no Estado e na esfera pública, tentando cercear, por meio de falácias, manipulações, difamações e desonestidade intelectual, as liberdades civis de artistas e pessoas não crentes.