Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / “Black blocs são minoria, mas símbolo importante da resistência”

Sociedade

Protestos

“Black blocs são minoria, mas símbolo importante da resistência”

por Piero Locatelli e Willian Vieira — publicado 02/08/2013 10h24, última modificação 02/08/2013 10h41
Cientista político, Saul Newman diz que esses manifestantes são a face mais visível do anarquismo hoje
Reprodução / Facebook Black Bloc SP
black bloc sp

Fachada de agência do banco Itaú sendo destruída no ato da última terça-feira 26 de julho em São Paulo

Os grupos de pessoas que se reúnem para quebrar bancos e concessionárias em protestos podem não ser os mais numerosos, mas são uma face reveladora da resistência nas manifestações ao redor de todo mundo. Está é a avaliação do cientista político Saul Newman sobre a tática dos black blocs. Professor de teoria política da Goldsmiths University, de Londres, Newman cunhou o termo pós-anarquismo, útil para definir formas de resposta direita, às vezes radicais, a um estado que interfere cada vez mais na vida de seus cidadãos.

Em entrevista a CartaCapital por e-mail, ele fala da dinâmica dos black blocs e como eles se relacionam com o anarquismo. Veja a íntegra abaixo:

Carta Capital - Qual é o espaço dos black blocs no anarquismo hoje?

Saul Newman - O Black Bloc se tornou o símbolo mais visível e marcante do anarquismo hoje. Aos olhos do público, o anarquismo e o Black Bloc são indistinguíveis. Além disso, a importância da tática Black Bloc em manifestações anticapitalistas e em insurreições recentes em todo o mundo tem alimentado muitos estereótipos da mídia -dos anarquistas como violentos e destrutivos. Isso é uma caricatura grosseira do anarquismo que tem uma longa história.

No entanto, enquanto Black Blocs podem só representar uma pequena minoria no movimento anarquista, eles são hoje um símbolo importante da resistência, e até mesmo do surgimento de novas formas de política antiautoritárias. Eles simbolizam a ação direta, a vontade de enfrentar a violência policial, o anonimato e a invisibilidade.

A face oculta tornou-se a imagem que define o ativismo político radical contemporâneo. É possível ver isso no Occupy, na Primavera Árabe, em protestos e manifestações em todos os lugares.

CC - Especialistas dizem que cada indivíduo na tática black bloc tende a lutar sua própria batalha, assim ele não é um grupo, mas uma tática usada sempre em um contexto específico. Como você analisa isso?

SN - Como uma tática e um símbolo, acho que ela é extremamente interessante e poderosa. A violência que está associada tem sido muitas vezes exagerada pelos meios de comunicação -geralmente envolve danos à propriedade, em vez de violência real contra as pessoas. Confrontos com a polícia são muitas vezes uma tática defensiva de contra violência.

Ele não é centralmente organizado, e não tem existência permanente - é simplesmente uma união de indivíduos singulares para um propósito comum. Cada participante luta como um indivíduo e também como parte de um grupo. O indivíduo não é sacrificado para a coletividade mais ampla, mas se envolve em uma livre colaboração com os outros.

Trata-se da formação temporária contingente, sem uma identidade clara, que aparentemente surge espontaneamente e, em seguida desaparece. Os indivíduos do grupo podem até não saber quem é a pessoa em pé ao lado deles é, e isso produz uma forma diferente de união - e não um baseado em identidade, mas no encontro de corpos e desejos. Isto é o que o torna tão interessante, e por que é tão difícil de controlar.

Sua estrutura incorpora um novo tipo de política, uma política de fluidez, de afinidade, singularidade e anonimato, ao invés de liderança e representação. O gesto de invisibilidade - a cobertura do rosto e da ocultação de identidade, que eu mencionei antes - é mais do que simplesmente uma medida de contravigilância, é também uma recusa de toda a ideia da identidade e da representação política, que até agora tem sido preponderante.

CC - Podemos dizer que as organizações de mídia, criticando sua atitude, tendem a dar-lhes mais poder?

SN - A mídia corporativa, em colaboração com os detentores do poder, fazem o seu melhor para demonizar o Black Bloc. E, de fato, usam seus confrontos bastante espetaculares e altamente visíveis para deslegitimar o protesto mais amplo. Uma das outras táticas retóricas utilizadas pelos meios de comunicação é fazer uma distinção entre manifestantes  violentos e pacíficos, bons e ruins, como forma de criar divisões dentro de um movimento . Parece-me que essas manipulações ideológicas não funcionam mais.

É verdade que o Black Bloc cria um espetáculo, mas é um espetáculo de sua própria criação, um contraespetáculo que visa subverter e sabotar o espetáculo midiático que toda a política democrática se tornou. O que eu acho interessante é a maneira que os manifestantes usam o poder da imagem para criar uma narrativa alternativa - filmando o protesto em que eles estão envolvidos em seus telefones celulares, postagem de imagens para sites de redes sociais, e até mesmo definir formas de mídia alternativa. Vivemos em uma sociedade do espetáculo, como o situacionista Guy Debord reconheceu há muito tempo, uma sociedade que é controlado e gerenciado através da circulação de imagens. E para enfrentar isso, ativistas e insurreições têm de criar uma espécie de contraespetáculo.

registrado em: ,