Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Protesto reúne 150 contra trabalho escravo na M.Officer

Sociedade

Trabalho Escravo

Protesto reúne 150 contra trabalho escravo na M.Officer

por Redação — publicado 27/05/2014 17h24, última modificação 27/05/2014 20h48
Manifestação visou pressionar Senado a aprovar a PEC do Trabalho Escravo. Marca de roupas foi flagrada pelo Ministério Público do Trabalho pela segunda vez
Sindicato dos Comerciários de São Paulo/Flickr
Sindicato

Cerca de 150 manisfestantes, segundo organizadores, reuniram-se para protestar em frente ao shopping Paulista

No dia em que está prevista na agenda do Senado a votação da PEC do Trabalho Escravo, cerca de 150 manisfestantes ligados ao Sindicato dos Comerciários de São Paulo se reuniram nesta terça-feira 27 para protestar em frente ao shopping Paulista, na capital, contra a marca de roupas M.Officer.

A empresa de roupas foi flagrada pelo Ministério Público do Trabalho no último dia 6, pela segunda vez, com trabalho escravo em uma de suas oficinas de costura. O primeiro flagrante foi feito em novembro de 2013. Na ocasião, a justiça chegou a bloquear 1 milhão de reais da empresa M5 Indústria e Comércio Ltda, que detém a marca M.Officer.

Segundo o diretor das relações sindicais dos comerciários de São Paulo, Josimar Andrade, a data do protesto foi escolhida para pressionar as votação da PEC 57A/1999, que há 15 anos tramita no Senado. “Essa PEC é importante pois vai penalizar com mais firmeza os responsáveis, ameaçando-os com expropriações”, disse Andrade. "Em 2011, quando desencadeou a denúncia de trabalho escravo na Zara, nosso sindicato já se articulou para enfrentar o problema e levar para as ruas esse debate, para provocar mudanças." Andrade destacou a criação da lei estadual nº 14.946/2013, que cassa o registro de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de empresas flagradas com trabalho escravo.

Brasília. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), segundo informações da Agência Senado, recebeu nesta terça-feira 27 representantes do Movimento Humanos Direitos (MHUD) e prometeu fazer o possível para que a PEC do Trabalho Escravo seja votada o quanto antes.

registrado em: , ,