Você está aqui: Página Inicial / Saúde / De olho na dieta infantil

Saúde

Desnutrição e Obesidade

De olho na dieta infantil

por Drauzio Varella publicado 22/03/2011 09h25, última modificação 22/03/2011 09h25
As crianças precisam ter diferentes experiências gustativas para evitar uma alimentação excessivamente calórica. Por Drauzio Varella

As crianças precisam ter diferentes experiências gustativas para evitar uma alimentação excessivamente calórica

O tempo em que a desnutrição das crianças envergonhava o País está perto do fim. Não que tenhamos virado esta página negra da história: 6% das crianças com menos de 5 anos ainda apresentam déficit de altura, mas em 2006-2007 havia 7,1%. A medida da altura é uma das formas de quantificar a desnutrição, revela o atraso no crescimento ocorrido em alguma fase desde a gestação, com maior ênfase nos dois primeiros anos de vida.
Na década de 1970, o déficit de altura atingia 29,3% das crianças na faixa dos 5 aos 9 anos; hoje, essa porcentagem caiu para 7,2%. Por razões óbvias, esses números são maiores nas regiões Norte e Nordeste e nas famílias de renda mais baixa.

Ao contrário da escassez de alimentos que martirizava parte da população, o desenvolvimento e a distribuição de renda um pouco menos perversa trouxeram para os brasileiros um problema característico dos países mais ricos, a obesidade infantil.

Segundo o IBGE, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos está com excesso de peso e 14,3% são obesas. Nos últimos 35 anos o excesso de peso na adolescência aumentou seis vezes. Na faixa de 10 a 19 anos ele já atinge 21,5% da população. Esses números são assustadores, porque a probabilidade de uma criança gordinha tornar-se adulto obeso é de 90%.

As causas do aumento da prevalência de obesidade na infância têm sido atribuídas ao consumo de alimentos de elevado teor calórico e à falta de atividade física. É lógico que a oferta sem-fim de doces, biscoitos e chocolates anunciados o tempo todo pela mídia, as horas de inatividade diante da tevê e do computador e a violência nas cidades modernas conspiraram para reduzir o gasto energético da criança de hoje, mas há outros fatores envolvidos.

Esses fatores incluem o ganho excessivo de peso materno durante a gravidez, o fumo durante a gestação, a amamentação por período menor do que o recomendado e a diminuição do número de horas de sono na infância.

Ao redor da 15a semana da vida fetal surgem as primeiras células especializadas em armazenar gordura, os adipócitos. No decorrer do primeiro ano de vida, os adipócitos praticamente não se multiplicam, apenas crescem e se enchem de gordura para criar reservas de energia que serão mobilizadas quando a criança começar a andar.

À medida que a criança cresce e se movimenta esses depósitos serão consumidos gradativamente até atingir os níveis mais baixos aos 5 ou 6 anos. As que chegam com excesso de peso nessa idade correm risco de assim permanecer na vida adulta.

O aumento excessivo de peso da mãe grávida interfere com o programa que controla o ciclo metabólico do feto. Os estudos mostram que os filhos de mulheres que engordam excessivamente durante a gravidez correm 48% mais risco de chegar com excesso de peso aos 7 anos.

O sabor do leite materno não é o mesmo em todas as mamadas, ocorrem modificações no decorrer do dia em razão da alimentação da mãe. Bebês alimentados com mamadeira não experimentam uma variedade de sabores, o gosto do leite em pó é sempre o mesmo. Estudos mostram que a diversidade de sensações associadas à amamentação está também associada ao desenvolvimento de paladares mais variados.

As crianças têm preferência inata por sabores doces e salgados, rejeição pelos amargos e azedos e dificuldade para aceitar novas experiências gustativas. Calcula-se que devam ser expostas de cinco a dez vezes, em média, para se adaptar ao gosto de um novo alimento.

Nessa fase da vida, existe nítida predisposição para alimentos com alta densidade calórica, por causa do gosto agradável e por levar à saciedade mais prontamente. Se não houver insistência na oferta, o paladar poderá fixar-se em doces e gorduras.

A prevenção da obesidade infantil começa na gestação; a do adulto dura a vida inteira.