Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Angelina Jolie revela que retirou as duas mamas para reduzir risco de câncer

Saúde

Câncer

Angelina Jolie revela que retirou as duas mamas para reduzir risco de câncer

por AFP — publicado 14/05/2013 09h30, última modificação 14/05/2013 09h35
Em um artigo publicado no jornal New York Times, a atriz disse ter uma mutação genética que aumenta o risco de câncer e que, por isso, optou pela mastectomia
Leon Neal/ AFP
Angelina Jolie

A atriz e ativista humanitária Angelina Jolie revelou que retirou as duas mamas para reduzir os elevados riscos de desenvolver um câncer

NOVA YORK (AFP) - A americana Angelina Jolie, uma das atrizes mais famosas do mundo, casada com o ator Brad Pitt, revelou que passou por uma dupla mastectomia preventiva para reduzir o risco elevado de câncer.

Em um artigo com o título "Minha opção médica" publicado no jornal New York Times, a atriz de 37 anos explica que decidiu passar pela operação porque tem uma mutação genética que aumenta o risco de câncer.

Em seu caso, a mutação genética, conhecida como BRCA1, representava 87% de possibilidades de desenvolver um câncer de mama e 50% de padecer um câncer de ovários. A mãe de Angelina Jolie morreu de câncer aos 56 anos.

"Quando soube qual era minha situação, optei pela prevenção para minimizar o risco o máximo possível. Tomei a decisão de submeter-me a uma dupla mastectomia preventiva", explica Jolie no artigo. "Comecei com os seios porque meu risco de ter câncer de mama é maior do que o de ter câncer de ovário, e a operação é mais complexa", afirma.

No dia 27 de abril a atriz concluiu os três meses de preparação para a operação, depois da qual seu risco de ter câncer de mama é de apenas 5%. Jolie, que teve três filhos com Brad Pitt e adotou outros três, afirma que está muito melhor depois da cirurgia. "Posso dizer a meus filhos que não devem ter medo de me perder por culpa de um câncer de mama", escreve.

Conhecida por ter interpretado a heroína dos jogos eletrônicos Lara Croft no cinema, Angelina Jolie, que nos últimos anos também estreou na direção, explica em detalhes a operação para retirada de tecido mamário e a substituição por implantes temporários. "Você levanta com tubos de drenagem e extensores nos peitos. Parece uma cena de um filme de ficção científica. Mas alguns dias depois da operação, você pode voltar à vida normal", recorda.

A atriz também ressalta que Brad Pitt foi um grande apoio durante todo o processo. "Conseguimos encontrar momentos para rir juntos. Sabíamos que era o melhor que podíamos fazer para nossa família e que nos uniria ainda mais. E foi assim que aconteceu".

A operação deixou apenas pequenas cicatrizes que não chocarão nossos filhos, conta Jolie. "Pessoalmente não me sinto menos mulher. Me sinto mais forte e tomei uma decisão importante que não diminui em nada minha feminilidade", completa.

Angelina Jolie, uma das atrizes mais bem pagas do mundo, lamenta que o teste para detectar a mutação genética BRCA1, assim como a BRCA2, custe mais de 3 mil dólares nos Estados Unidos, o que represanta "um obstáculo para muitas mulheres".

Também espera que seu caso sirva de exemplo. "Se escrevo agora sobre isto é porque espero que outras mulheres poderão beneficiar-se de minha experiência".

"A vida está cheia de desafios. Os que não devem nos dar medo são os que podemos enfrentar e podemos controlar", conclui.