Você está aqui: Página Inicial / Revista / Moralistas imorais / Doente? Procure o doutor Google
Número 910,

Tecnologia

Medicina

Doente? Procure o doutor Google

por Felipe Marra Mendonça publicado 26/07/2016 02h05
A empresa oferece diagnósticos médicos no seu sistema de buscas
Ilustração: Milena Branco. Foto: iStockphoto
Diagnóstico

Profissionais da Clínica Mayo e de Harvard abriram suas bases de dados

O advento da internet trouxe uma série de novos hábitos, entre eles o de checar os primeiros sintomas de uma possível doença para tentar um diagnóstico antes mesmo da consulta médica. Um hábito pouco recomendável, certamente, mas bastante difundido.

O problema vai além do autodiagnóstico, principalmente quando fica complicado saber quais dos sites consultados são confiáveis. É isso o que o Google pretende resolver ao oferecer um diagnóstico confiável com base nos sintomas digitados na sua ferramenta de buscas.

De acordo com a empresa, aproximadamente 1% das buscas está ligado a possíveis sintomas de doenças. Considerando-se cerca de 50 mil buscas por segundo, são 500 pessoas a cada momento à procura de uma explicação para seus males.

O Google cita o exemplo da busca de interpretação para a “dor de cabeça de um lado só”. A página encontrada apresenta diferentes condições possíveis relacionadas ao desconforto e tenta estabelecer se é uma simples dor de cabeça, enxaqueca ou resfriado. 

Além disso, os resultados também apontarão possíveis alternativas para uma solução imediata, além de sugerir a procura de um médico se o sistema julgar que os sintomas exigem muito mais que a prescrição de um analgésico.

No caso da sugestão de alternativas para a automedicação parecer temerária, convém saber que os resultados da busca são fruto de uma colaboração entre médicos da Clínica Mayo e da Universidade de Harvard, que disponibilizaram uma base de dados com sintomas verificados em consultas.

O sistema recebe os resultados já oferecidos normalmente, mas confronta a sintomatologia apresentada com o sugerido pela base de dados e só depois oferece os novos resultados “qualificados”.

O procedimento, segundo o Google, evita erros, mas não substitui uma consulta médica e uma checagem da condição física do usuário por um especialista. Esses novos resultados devem começar a aparecer primeiro em inglês e depois em outras línguas nos próximos meses. A ideia é aumentar a quantidade de sintomas disponíveis na base de dados.