Você está aqui: Página Inicial / Revista / Brasil, 2016 / Os riscos do ódio
Número 895,

Política

Opinião

Os riscos do ódio

por Mauricio Dias publicado 01/04/2016 15h13, última modificação 02/04/2016 00h44
Da eventual reação à altura dos odiados, poderia nascer a intervenção para restabelecer a ordem que a Constituição prevê
Gervásio Baptista/STF
Ministros

Estes ministros fazem juz à proteção policial

A secreção expelida pelas glândulas salivares da oposição na tribuna do Congresso, ou representada nas manifestações de rua, com a finalidade de fortalecer o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, é a conhecida baba do ódio que se expande e contamina com a velocidade desses vírus que azucrinam por aí.

Por que tanto ódio? A quem serve?

Esse sentimento, contido nos corações dos manifestantes contra Dilma, contra Lula e contra o PT, é a tradução do velho preconceito de classe. Isso foi percebido na contagem e recontagem das marchas dominicais onde não apareceram nem pobres nem negros. Nada, porém, ficou por aí. Mais provas sustentam a afirmação.

O ódio desdobrou-se com os “panelaços”. Neles soou o barulho estridente dos melhores alumínios à venda no mercado. Na sequência desta reação a baba do ódio alastrou-se pelos ambientes fechados. Entre vizinhos, nos restaurantes, nas escolas, em hospitais e, por fim, nas agressivas faixas empunhadas nas marchas.  

Assustou, por exemplo, aquela exibida na Avenida Paulista, poderia ser também em Copacabana, com a proposta de trocar a prisão pelo fuzilamento dos adversários.

Nas últimas semanas os manifestantes pró-impeachment, entre outras reações, partiram para infernizar a residência daqueles que se manifestam ou são reconhecidamente contrários ao golpe. A reação atinge também as autoridades. Nesse contexto o filho de Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, pagou o pato. A casa dele foi cercada, no Rio Grande do Sul, porque o pai, como se sabe, determinou ao juiz Sergio Moro a remessa, para o STF, dos autos do processo sobre Lula.

Parece brincadeira inconveniente. Mas a Polícia Federal não fez esta avaliação. Pelo sim, pelo não, ampliou a segurança de Zavascki, como tinha feito com o esquema de proteção do ministro Roberto Barroso. Essa decisão ocorreu após a avalanche de ameaças que Barroso recebeu por ter estabelecido o rito do impeachment da presidenta Dilma. Não agradou à oposição. 

As reações contra Dilma, contra Lula e contra o PT, além das subjetividades, podem ter desdobramentos mais perigosos na prática. Ou seja, confrontos diretos nas ruas. A iniciativa partiu dos grupos estimulados pelo ódio como comprovam as agressões recentes.

As oposições estimulam o ódio e aumentam a possibilidade de confrontos radicais. Isto, se ocorrer como é possível, deriva de premeditação caso vingue golpe disfarçado no pedido de impeachment que, embora previsto na Constituição, não tem a sustentação exigida. Ou seja, a arma do crime.

A troca no poder, apoiada neste inconsistente golpe parlamentar, provocará contestações.

Assim se explica o estímulo do ódio. O confronto nas ruas configura a expressão da desordem prevista no artigo 142 da Constituição. Assim, soa sinistra a afirmação cautelosa do general Eduardo Villas Bôas. As Forças Armadas, tem repetido ele, só atuarão se “absolutamente respaldadas” pela Constituição.