Você está aqui: Página Inicial / Revista / Lava Jato, onde quer chegar? / A nobreza na estrada
Número 888,

Cultura

Papinho Gourmet

A nobreza na estrada

por Marcio Alemão publicado 19/02/2016 17h25, última modificação 21/02/2016 08h27
– O Rei da Pamonha lá está. E também o Rei do Bacalhau. E, além desses dois nobres, o Rei da Linguiça.
Ilustração: Estella Maris
Milho

- Sobre a tal gruta, que tal os derivados do milho do local?

-Descobri onde se encontra a nobreza da gastronomia.

– Divida conosco. Onde?

– Na Rodovia Fernão Dias, entre São Paulo e Atibaia.

– Nunca soube.

– Nunca deve ter reparado.

– Pequenos e raros restaurantes, bistrozinho de beira de estrada, chácara de um ex-executivo da AmBev que largou tudo e foi lavar pratos na cozinha do Adrià e lavar o chão na do Ducasse... que tipo de nobreza?

– O Rei da Pamonha lá está. E também o Rei do Bacalhau. E, além desses dois nobres, o Rei da Linguiça.

– Já foi assunto do velho Refô essa mania com a realeza.

– E ninguém se contenta em ser o Conde do Bacalhau ou o Arquiduque da Pamonha.

– O único título que revela alguma humildade é o da Cantina do Sargento. E me conte: da nobreza provaste algo digno?

– Tentei o reinado da pamonha, mas, acredite, lotado de súditos. Tive de contentar com a Gruta.

– Como assim?

– Além do Rei existe o Recanto da Pamonha e a Gruta.

– A gruta chega a lembrar uma?

– Nem de longe nem de perto. O que acontece não chega a ter a ver com a pródiga imaginação dos proprietários.

– Já sei o que você vai dizer: a dificuldade de registro do nome.

– E até acredito que devam ter encontrado uma maneira de facilitar o uso do título nobre. Imagino que devam ter 278 solicitações semanais do gênero. Contemplar todo mundo não dá.

– Devem ter criado alguns feudos e decretos: fica determinado que do quilômetro 1 ao 50 só poderá haver um rei da pamonha, um do bacalhau, um da linguiça. Ainda aguardamos com ansiedade a chegada de eventuais reis da pizza, do hambúrguer, da macarronada e do churrasco. Ainda esclarecemos que princesas, rainhas e demais nobres do sexo feminino serão bem-vindos.

– Interessante esse ponto. Revela que o mundo da gastronomia não tem dado muito espaço às mulheres.

– Nem espaço nem títulos. Mas aposto que em todos esses “castelos”, quem está com a barriga no fogão é uma mulher.

– Sobre a tal gruta, que tal os derivados do milho do local?

– Na verdade, esses locais são o reinado do Junior. Com certeza no Natal devem vender o Pamonhone, que é o panetone de pamonha. E te confesso que a minha referência de boa pamonha ficou perdida em algum canto da memória que não consegui acessar. Ainda assim arrisco dizer que a da Gruta estava grosseira.

– Uma pamonha rupestre.

– Touché.