Você está aqui: Página Inicial / Revista / Desigualdade sem limites / Continuam a enganar
Número 873,

Sociedade

Papinho Gourmet

Continuam a enganar

por Marcio Alemão publicado 30/10/2015 20h00
A ilustre churrascaria sem futuro
Bruno Miranda/Folhapress

Rapaz, fui parar de novo naquela churrascaria chique que tem nos Jardins e no Shopping Iguatemi.

– Não fala o nome.

– Melhor não. Mas continua um assunto esquisito.

– Como assim?

– Imagine uma segunda-feira de quase nenhum movimento. Meia dúzia de mesas.

– É a crise.

– Duvido. O Ritz, que chega a ser tão caro quanto, tava bombando.

– Mas o Ritz está em outra categoria. Ele serve às “Mulheres Que Almoçam”. Muitas delas se permitem adentrar o local usando calça de abrigo, tênis Asics de mil reais e um casaquinho de tricô ou linha, sobre uma Lacoste. Pedem uma salada de alface com alface e um pouquinho de alface e espalham que a comida do local é maravilhosa.

– Que seja. Mas fato é: imagine uma brigada imensa de garçons com pouco a fazer.

– Atenção total aos poucos clientes.

– Seria a teoria. Na prática, papo descontraído com o coleguinha, e o cliente que se esforce em alongar braços caso queira chamar a atenção dos citados.

– Comeu bem?

– Bem mal, pra variar. Na mesa uma plaquinha com um texto horroroso, pessimamente escrito...

– Espera! Não é essa churrascaria que é frequentada por jornalistas ilustres, publicitários ilustres...

– Pensei nisso. Por que não pedir para um dos amiguinhos ilustres passar os olhos na pérola? Enfim, o que a plaquinha me dizia era: tem uma carne nova. Wagyu com Angus. O original nome de Wangus. 

– Pediu?

– Perguntei se dava pra dividir e o maître – será que era maître? Acho que não. Atitude nenhuma de maître. Um garçom de preto, cansado apenas – me disse que a carne tinha 300 gramas. Achei de bom tamanho 150 gramas de carne. Mas teve o antes.

– Antes do quê?

– Imagine um lugar bacana desses, no qual você tem de levantar a mão a cada 60 segundos para pedir que tragam melhores e mais quentes pães; pedir que limpem a sua mesa, que retirem os muitos pedaços de pão, de couvert. E mais um detalhe: eu pedi um Negroni antes de tudo.

– Você adora Negroni.

– O de lá é, sem a menor sombra de dúvida, um dos piores. Fuja!

– E a casa batendo lata. Mas e o tal Wangus?

– Dos 300 gramas, aproveitáveis não foram mais de 100. A minha parte não viu 30 gramas. A de meu colega, tirando os nacos de gordura, nada a ver com marmoreio, somou 50 gramas.

– Ou seja...

– Um desrespeito. Não vejo um futuro risonho para a casa. Me cobrem isso.