Você está aqui: Página Inicial / Revista / Cratera Fiscal / Crianças baixas
Número 866,

Saúde

QI

Crianças baixas

por Drauzio Varella publicado 15/09/2015 06h20
O hormônio do crescimento não traz efeitos indesejáveis. A restrição é financeira
crianças-baixas

A simples observação pode ser estratégia razoável para a maioria das crianças baixas. Muitas delas vão adquirir estaturas próximas às da maioria, na vida adulta.

maioria das crianças de estatura baixa é saudável. Embora a avaliação clínica delas tenha por objetivo afastar alguma condição associada – deficiência de hormônio do crescimento, hipotireoidismo, síndromes genéticas ou doenças crônicas –, a maioria delas recebe o diagnóstico de baixa estatura idiopática.

São considerados idiopáticos os casos explicados por variações fisiológicas, tais como a baixa estatura familiar e o retardo constitucional do crescimento na puberdade.

Pais que apresentaram atraso na instalação da puberdade e na idade para atingir o tamanho adulto podem ter filhos com padrão semelhante de crescimento. Perto de 15% das crianças com histórico de restrição do crescimento na fase intrauterina continuam a apresentar baixa estatura na vida adulta. 

A dosagem sanguínea da produção de hormônio do crescimento não permite distinguir com clareza os casos idiopáticos, daqueles com deficiência hormonal. Níveis relativamente baixos desse hormônio durante a infância podem atingir valores normais na chegada da puberdade.

Quando a estatura cai na faixa inferior a 1% das tabelas de altura para a idade, a velocidade de crescimento está abaixo de 10% da idade óssea, a altura prevista difere de forma significante daquelas dos pais ou existe desproporção entre tronco e membros. havendo necessidade de avaliação laboratorial e exames de imagem.

A simples observação pode ser estratégia razoável para a maioria das crianças baixas. Muitas delas vão adquirir estaturas próximas às da maioria, na vida adulta.

A indicação de hormônio do crescimento não obedece regras rígidas. Estudos clínicos mostram que nos casos idiopáticos a administração costuma aumentar a estatura em cerca de 1,0 centímetro por ano de tratamento.

A administração tem o inconveniente da via subcutânea. Aplicações diárias são mais eficazes do que injeções menos frequentes. Duplicar as doses durante a puberdade, até o fechamento completo das cartilagens de crescimento, melhora os resultados.

A incidência de efeitos indesejáveis (hipertensão intracraniana, intolerância à glicose, deslocamento da cabeça do fêmur) é baixa.

A principal restrição ao uso do hormônio é financeira. De acordo com os preços internacionais, o custo anual do tratamento varia de 10 mil a 60 mil dólares.

Meninos que chegam à puberdade com baixa estatura podem receber testosterona injetável ou doses baixas de andrógenos por via oral, para acelerar a velocidade de crescimento. Estudos mostram que essa estratégia é capaz de aumentar a velocidade de crescimento em 3,0 a 5,1 centímetros por ano, durante 1 a 3 anos.

No entanto, a estatura final do adulto fica igual ou ligeiramente superior à prevista antes do tratamento. Os riscos são baixos e o custo bem menor.

Embora o aumento da estatura seja importante em casos idiopáticos mais extremos, os benefícios do tratamento são pequenos e questionáveis para a maioria das crianças baixas. Os custos, a duração ideal e o objetivo final do tratamento são áreas bastante controversas.