Você está aqui: Página Inicial / Revista / Francisco contra os donos do dinheiro / O perigoso cardápio de Agatha Christie
Número 859,

Cultura

À mesa

O perigoso cardápio de Agatha Christie

por Maev Kennedy — publicado 04/08/2015 05h06
Um festival vai recriar as receitas dos livros da Dama do Crime
Getty Images
Agatha-Christie

Ms. Christie: veneno em profusão nas suas 91 obras

Um pouquinho mais de estricnina e molho de manteiga para o seu peixe, Vigário? Ou um pedacinho deste esplêndido bolo, tão apropriadamente chamado Morte Deliciosa?

Um exclusivo show culinário vai celebrar o 125º aniversário de nascimento de Agatha Christie, a Rainha do Crime. Será na própria cozinha da escritora, em Devon, Inglaterra, e os convivas são advertidos de que devem tratar os petiscos com extrema cautela.

A escritora francesa Anne Martinetti pretende recriar receitas a partir dos livros de Agatha, especificando aqueles particularmente propícios a trazer veneno como ingrediente extra. Como todo devoto de Miss Marple ou Hercule Poirot sabe, ocorre aos grandes detetives de, à frente de um café da manhã, um almocinho leve ou um chá da tarde, flagrarem um infeliz sufocando-se na garganta e ficando apavorantemente azul.

Anne Martinetti vai falar e cozinhar na casa de veraneio que Agatha Christie adorava, chamada Greenway – a casa que ela dizia ser “o lugar mais lindo do mundo” –, hoje sob os cuidados do Patrimônio Histórico britânico. O evento culinário é parte do Festival Agatha Christie, em setembro, que também se estenderá a Torquay, onde a escritora nasceu, a 15 de setembro de 1890.

Comida, nem sempre letal, figura profusamente nos livros de Agatha Christie e em sua vida real. A diretora do Festival, Anna Farthing, lembra que Ms. Christie frequentemente anotava, após seus compromissos sociais, que os acompanhantes tinham sido razoáveis, mas “a refeição, boa”. Uma foto de arquivo a mostra atarefada numa cozinha sombria da bela casa em estilo georgiano, de onde seu neto Gus saboreia a lembrança de deliciosos pratos produzidos pela vovó Agatha.    

A francesa Anne Martinetti soube abrir um curioso nicho na populosa estante de livros de gastronomia: receitas criminosas. Seus livros, com títulos de diabólicos trocadilhos, incluem Alimentaire Mon Cher Watson!, com os cardápios de Sherlock Holmes, e, agora, um estudo sobre Agatha Christie, chamado em francês de Crèmes et Châtiments, ou Cremes e Castigos.

“Vou oferecer o bolo chamado Morte Deliciosa do romance Morte Anunciada – um fabuloso bolo de chocolate”, diz Anne Martinetti. “Talvez prepare também um peixe na manteiga, a arma letal de Cipreste Triste, e deixe para os convivas adivinharem se acrescentei alguma estricnina.”

Veneno era um recurso favorito nos livros de Ms. Christie. Por isso mesmo, estará na pauta de outros eventos do Festival, a começar por uma visita guiada ao jardim de Torre Abbey, em Torquay, e uma palestra de Kathryn Harkup, autora de A Is for Arsenic – minuciosa análise de todo o repertório tóxico na obra de Agatha Christie. Assim como Anne Martinetti, Kathryn Harkup define o chocolate amargo como o mais eficiente dos ingredientes criminosos, pois disfarça o gosto da peçonha.