Você está aqui: Página Inicial / Revista / O enigma Lily Safra / Alckmin atropela Aécio
Número 855,

Política

Rosa dos Ventos

Alckmin atropela Aécio

por Mauricio Dias publicado 20/06/2015 06h20
O conflito, em torno da eleição de 2018, está instalado no PSDB e pode ficar mais duro se José Serra entrar na disputa
Marcos Fernandes/Obritonews
Alckmin-e-Aécio

As ambições não cabem no mesmo espaço

O ninho tucano pega fogo. Quem soprou a brasa foi o deputado estadual Pedro Tobias, recém-eleito presidente do diretório paulista do PSDB. A posse de Tobias virou um ato quase oficial de lançamento da candidatura do governador Geraldo Alckmin à Presidência da República em 2018.

O deputado fez o anúncio emoldurado por um gracejo bisonho: “O País precisa de um médico porque está doente, corrompido”. Não era blague. Formado em medicina, Alckmin seguiu o mote e mirou o PT: “A política se exerce essencialmente com ética (...) Um partido político se faz com ética”.

Quem não enxerga nessa obviedade um roteiro planejado? A crise interna no PSDB, provocada pela longínqua eleição presidencial de 2018, é maior do que supõe, e do que publica, a vã filosofia da mídia. A ignorância é um objetivo calculado. Bloqueia a informação e torna inocentes úteis os militantes tucanos e os próprios quadros políticos do partido. Tudo se passa nos limites da cúpula concentrada em São Paulo.

Aécio sentiu o impacto do ataque de Alckmin e se abrigou na circunstância política disponível. Ou seja, a antecipação da disputa interna: “É confortador (...) termos no PSDB, em condições de disputar as eleições e de vencê-las, nomes da estatura do governador de São Paulo”. Alertou, porém: “Teremos a responsabilidade de não saltar etapas”.

A regra, neste momento, é a de negar evidências. Restam, no entanto, fatos. Não há condições de evitar ou mesmo de contornar a situação. É frágil a responsabilidade invocada pelo presidente do partido. Ele mesmo vai ignorar a restrição se preciso for.

Aécio Neves saiu chamuscado da eleição de 2014. Sofreu duas derrotas em casa, para o PT, ao perder a disputa pela Presidência da República e pelo governo de Minas Gerais. Na perspectiva da competição interna os dias de agora também não lhe são favoráveis. Derrotado na competição eleitoral, o senador mineiro pôs-se a comandar praticamente sozinho, sem sucesso, os movimentos radicais contra Dilma. Perdeu também esse “terceiro turno”.

O governador de São Paulo surgiu em cena e reagiu ao movimento pelo impeachment da presidenta. Frustrou os planos de Aécio.

Agora os dois estão novamente em lados opostos. Alckmin atacou a proposta do fim da reeleição, que chamou de “mudancismo”, e a redução da maioridade penal apoiada pelo colega de legenda.

São esses alguns fatos. Quem irá para a luta eleitoral? Geraldo Alckmin ou Aécio Neves? Ou, quem sabe, José Serra?

Serra, à margem do choque entre Aécio e Alckmin, é, por ora, candidato de si próprio. Mantém, no entanto, o sonho no qual sempre se intrometem os fantasmas de duas derrotas. Para Lula, em 2002, e para Dilma, em 2010. O sonho, nesses momentos, vira pesadelo.