Você está aqui: Página Inicial / Revista / Os espinhos de Janot / A gastronomia salva
Número 854,

Cultura

Papinho Gourmet

A gastronomia salva

por Marcio Alemão publicado 21/06/2015 03h06
Outro aspecto formidável da gastronomia: não precisa saber cozinhar, é só meter as caras
Shutterstock

Coisa rara: duas pessoas muito sensatas encontram-se e conversam sobre gastronomia.

– Você não acha admirável a quantidade de concursos e de prêmios que hoje são distribuídos para chefs, restaurantes, vinhos, produtores?

– Uma beleza! Sem dúvida um estímulo e tanto para os agraciados...

– E para os que buscam a láurea!

– No fundo, sabemos que os maiores beneficiados, em última análise, seremos nós.

– Já estamos sendo. Você não tem percebido como a qualidade de nossos restaurantes tem melhorado de maneira notável?

– E no mundo? Na Espanha, preste atenção nessa estatística, celeiro dos melhores restaurantes da atualidade, 10% dos turistas que por lá passaram não o fizeram para ir ao Museu do Prado, mas sim para ir aos estrelados e comentadíssimos restaurantes.

– Boa comida gera turismo de qualidade. 

– E boa bebida, idem.

– Notou que mais recentemente até programa de culinária sofisticada nós temos?

– Pois você sabe que esse é um ponto assaz curioso. Não sei o amigo, mas, cá entre nós, por que os nossos chefs, esses que aparecem nesses programas, me passam uma ideia de que sabem muito mais do que na verdade sabem?

– O amigo tocou em um ponto que também chama a minha atenção. O cabotinismo nada de braçada em nossas cozinhas televisivas. E sempre e sempre, cá muito entre nós, o restaurante desses senhores e rapazes não chega a ser... se é que você me entende.

– Considerando que começamos a nos abrir um pouco mais, eu diria que quanto mais tatuagem, pior a comida.

– Curiosa definição. Mas eu tenho outra: quanto mais malvado com os participantes, pior a sua cozinha.

– Certo recalque, não parece?

– Eu não iria para uma definição tão sofisticada. Falta-lhes talento, mesmo.

– O lado positivo é que o povo está tendo acesso a receitas que vão muito além da coxinha com Catupiry da Palmirinha.

– Se bem que, nessa nossa linha de conversa mais sincera, eu ainda acho que o programa da Palmirinha é bem mais divertido.

– E mais uma vez chegamos num empate. E sobre guias?

– Que espetáculo! Temos centenas de orientadores. A cada dia surge um novo blog, um novo aplicativo para nos dizer onde comer e por que comer.

– Não diria que chegam a acertar, mas pense que eles poderiam estar fazendo coisas muito piores na vida.

– Outro aspecto formidável da gastronomia. Não precisa saber cozinhar. É só meter as caras.

– Taí o food truck que não te deixa mentir.