Você está aqui: Página Inicial / Revista / O efeito Vaccari / Hillary Clinton, a mãe da América
Número 846,

Internacional

EUA

Hillary Clinton, a mãe da América

por Eduardo Graça — publicado 26/04/2015 07h52
A democrata lança sua candidatura presidencial em busca do “povão”
Oliver Lang/AFP
Hillary

Madame Clinton agora percorre de van os grotões

De Nova York

Divulgado em redes sociais, o vídeo de lançamento da candidatura de Hillary Clinton à sucessão de Barack Obama que deu a largada, no domingo 12, à corrida presidencial do próximo ano não cerrou fogo no ineditismo da possibilidade de uma mulher comandar pela primeira vez a Casa Branca. Ao sabor do tom populista que deve ser uma das principais marcas da disputa eleitoral, nos dois lados do espectro político, cidadãos representativos dos grupos integrantes da coalizão responsável pelas duas vitórias de Obama (negros, asiáticos, hispânicos, jovens e gays) falam de seus projetos para os próximos anos, na linha casamento, casa própria, filhos e emprego. Somente nos segundos finais a ex-primeira-dama, senadora e secretária de Estado surge para recitar sua própria meta de vida: governar a maior potência militar do planeta e, em suas palavras, ser “a campeã de todos os americanos”.

Uma das principais peças do quebra-cabeça para se entender o vídeo de pouco mais de dois minutos está no curto discurso, pronunciado na tarde seguinte, do senador de origem cubana Marco Rubio, o terceiro republicano a se lançar oficialmente candidato à sucessão de Obama, depois de seus colegas Ted Cruz e Rand Paul. “Ontem, uma líder política do passado iniciou uma campanha presidencial prometendo nos levar de novo para trás”, disse Rubio. “Em vez de oferecer um tempo que já passou, convido vocês a olharem para o futuro. Só nos EUA um filho de imigrantes, de uma empregada doméstica pode competir de igual para igual com candidatos oriundos da elite, com sobrenomes tradicionais na política nacional.”

A outra peça do jogo foi criada em 2008. Hillary Clinton disputou as primárias com a bandeira da experiência. Interessada em valorizar a imagem de uma mulher capaz de comandar as Forças Armadas com pulso forte, a democrata votou a favor da invasão e ocupação do Iraque. A decisão transformou-se em ponto de partida para a desconstrução de sua candidatura pelos rivais internos, dedicados a colar na então senadora a imagem de elitista e representante da porção mais arcaica na Washington dos lobistas e corporações. 

A Clinton “mãe dos americanos” é uma invenção recente que alcançou a meta de impedir a viabilização de candidaturas adversárias no partido governista. Os ex-governadores Martin O’Malley, de Maryland, e Lincoln Chafee, de Rhode Island, o senador Bernie Sanders, de Vermont, único socialista declarado no Capitólio, e o ex-senador Jim Webb, da Virgínia, ligado aos setores militares, carecem de dimensão nacional. O vice-presidente Joe Biden, ainda uma incógnita em relação a 2016, aparece nas pesquisas em terceiro lugar, com 12%, atrás até da senadora Elizabeth Warren, de Massachusetts, a preferida da ala esquerda do partido, que se recusa a disputar as primárias. E na Cúpula das Américas, no Panamá, o próprio Obama afirmou: “Hillary tem tudo para ser uma excelente presidente dos EUA”.

 Não por acaso, um dia depois de servir de palco para o anúncio de sua candidatura, as mesmas redes sociais destacavam como tópico mais comentado do dia as paradas de Hillary Clinton em postos de gasolina e redes de fast-food, no caminho de Nova York para o estado de Iowa, sede das primeiras primárias presidenciais, no começo de 2016. Foi assim durante toda a semana. Madame Clinton deixou o jatinho de lado, e com uns poucos assistentes, mais o aparato de segurança do serviço secreto, prerrogativa de ex-primeiras-damas, iniciou uma viagem de van pela América profunda. Em sua agenda não aparecem comícios, mas encontros com grupos estratégicos, entre eles estudantes e pequenos empresários. Nas conversas, acompanhadas por uma legião de repórteres, a mesma candidata que espera amealhar cerca de 1,8 bilhão de dólares para a campanha bate duro no modelo de financiamento eleitoral americano, sem teto para doações privadas e anônimas, defendido pelos republicanos. Também oferece a mensagem central de sua candidatura: foco no bolso da classe média, com novos programas de incentivo à geração de empregos e de combate à crescente desigualdade social.

Do outro lado do tabuleiro político, os republicanos ironizam a tentativa da senhora Clinton de se mostrar afinada com o “povão” e deixam clara a disposição de discutir os dois modelos de país não apenas nas searas econômica e social (a crise financeira global e a polêmica reforma da saúde pública não são mais combustíveis para o populismo de direita, com a economia em franca recuperação e o chamado Obamacare derrubando de 30% para 12% o número de cidadãos sem planos de saúde), mas também na da política externa. “Precisamos fortalecer novamente a imagem dos Estados Unidos no exterior e combater a diplomacia atrapalhada dos anos Obama-Hillary”, atacou o mais bem posicionado dos possíveis candidatos da oposição, o ex-governador da Flórida, Jeb Bush, filho e irmão de presidentes, da ala moderada do partido. 

Críticos da aproximação com Cuba e da articulação de um acordo com o Irã na área nuclear, os republicanos culpam a atual administração pelo fortalecimento do Estado Islâmico e pelo desastre do ataque ao consulado americano em Bengasi em 2012. Na ocasião, foram mortos quatro diplomatas, incluído o embaixador do país na Líbia. O episódio ocorreu durante a campanha de reeleição de Obama e Hillary Clinton é acusada de ter dificultado a divulgação dos ataques e suas motivações. O Congresso, de maioria republicana, instaurou uma investigação, que deve atormentá-la durante a campanha mais antecipada da história política recente dos EUA, juntamente com a decisão – de quem se julga acima da lei, diz a direita – de usar um e-mail privado, cujas mensagens jamais foram divulgadas, durante o tempo em que esteve à frente da diplomacia ianque.