Você está aqui: Página Inicial / Revista / A lista de Janot / O evangelho segundo Capitão Nascimento
Número 840,

Sociedade

Religião

O evangelho segundo Capitão Nascimento

por Miguel Martins publicado 18/03/2015 05h02
A Igreja Universal monta exército da fé para arregimentar jovens fiéis
Gladiadores

Os recrutas bélicos abusam do liguajar bélico. Segundo a igreja, é só coreografia

Este projeto vai arrebentar, pois missão dada é missão cumprida”, escreve uma jovem da Universal do Reino de Deus na página oficial da igreja na internet. Versões semelhantes do comentário, geralmente paráfrases de diálogos do filme Tropa de Elite, de José Padilha, têm sido usadas com frequência pelos fiéis para se referir ao projeto Gladiadores do Altar, nova iniciativa da igreja comandada pelo bispo Edir Macedo para arrebanhar a juventude. Braço da instituição conhecido por organizar eventos religiosos antidrogas e esportivos, a Força Jovem Universal decidiu apelar à simbologia militar para projetar uma nova geração de pastores e evangelizadores. Perto de 4,3 mil homens brasileiros de até 26 anos integram o polêmico projeto que mistura disciplina bélica com pregação religiosa.

Embora lançado em janeiro de 2015, o projeto ganhou destaque após o deputado Jean Wyllys, do PSOL, publicar no domingo 1º uma foto dos tais gladiadores enfileirados como um batalhão militar e um vídeo do ritual do grupo, reproduzido em diversos estados brasileiros, além de Argentina, Colômbia e alguns países africanos. Os fiéis do projeto vestem camisetas verdes com o brasão do grupo estampado nas costas. O símbolo apresenta as iniciais “G.A.” bordadas em um escudo atravessado por uma espada. Embora não se vejam coturnos, o conjunto finalizado com sapatos e calças pretas remete à imagem de tropas policiais ou militares.

No ritual registrado em diversos vídeos na internet, os gladiadores marcham pela igreja com sincronia e disciplina. Repetem, a pedido de um pastor-sargento, uma louvação a Deus que mais se assemelha a um ritual de iniciação para aspirantes do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar. Ao serem perguntados sobre o que querem, estendem os braços com o dedo em riste e apontam para o objetivo, enquanto repetem três vezes a plenos pulmões: “O altar, o altar, o altar”.

A liturgia militar adotada pelo grupo de formação de pastores da Universal levantou dúvidas sobre as reais intenções do projeto. “O fundamentalismo cristão no Brasil tem ameaçado as liberdades individuais, a diversidade sexual e as manifestações culturais laicas. Agora, ele forma uma milícia”, afirma Wyllys. Os gladiadores passaram a ser comparados na internet a terroristas do Estado Islâmico e a soldados de regimes totalitários, especialmente pelo gestual e uniforme adotados, que lembram, com exceção à ausência da gravata, os camisas-verdes do integralista Plínio Salgado, líder da versão tupiniquim do fascismo nos anos 1930.

Com o despertar da polêmica, a Universal passou a bloquear o acesso ao conteúdo publicado sobre os gladiadores em seus canais oficiais na internet a partir da segunda-feira 2. Ainda é possível, porém, assistir ao ritual dos gladiadores em vídeos publicados pelos próprios fiéis. Um dos mais populares mostra o bispo Edson Costa na primeira recepção ao grupo no templo em Fortaleza. Antes de dar a palavra ao bispo, o “sargento” dos gladiadores convoca a tropa para uma oração. “Graças ao Senhor, hoje estamos aqui prontos para a batalha”, bradam os jovens. Em seguida, Costa dispara: “Esses gladiadores vão nos ajudar a entrar no inferno e ganhar almas. O altar não é para criança, menino ou para quem quer brincadeira. É para quem quer lutar pelo povo, e se preciso dar a vida por ele”.

Em nota, a Universal afirma que o programa visa formar única e exclusivamente pastores. Os jovens seriam integrantes regulares da Força Jovem Universal, cuja bandeira principal é o combate às drogas. “Em sua maioria, são pessoas que pretendem retribuir à comunidade onde vivem o apoio recebido quando estavam em situação de vulnerabilidade social.”

A Força Jovem é um dos braços mais influentes da igreja, em especial pela rea­lização de grandes eventos em parceria com o poder público. O PRB, partido ligado à Universal, ocupa atualmente o Ministério do Esporte, encabeçado pelo pastor George Hilton, além das secretarias estaduais da pasta em São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. O interesse do partido pelo esporte está diretamente relacionado à promoção de eventos da Força Jovem pelo País. O “Saiba Dizer Não”, evento que promove atividades desportivas e palestras antidrogas, foi sediado em importantes áreas públicas, entre elas o Estádio Mané Garrincha, em Brasília, e o Parque da Juventude, em São Paulo.

Sobre as suspeitas de promover um “exército fundamentalista”, a Universal garante que nenhuma prática militar é desenvolvida. “Os gladiadores assistem a aulas semanais com um pastor em que debatem e são convidados a refletir sobre aspectos do texto bíblico. Esta é a única atividade regular.” Sobre a polêmica em torno dos uniformes, a igreja afirma que as camisetas têm como função identificar os gladiadores no interior das igrejas. “Os integrantes do projeto não as utilizam fora dos templos da Universal em nenhuma atividade.” O gestual militar seria apenas uma “coreografia”, ensaiada para apresentar de forma festiva o projeto aos fiéis. Segundo a Universal, os rituais “não se repetiram mais, nem se repetirão”.

Após a publicação de Wyllys, muitos fiéis apressaram-se a defender o projeto e garantir que ele iria “arrebentar”, gíria usada pela juventude da igreja para se referir a um sucesso estrondoso. Quem acessar a página paulista do grupo no Facebook encontrará mais de mil seguidores e nenhum conteúdo publicado. Na segunda 2, havia um farto material, com textos, fotos e vídeos. Ao que parece, o projeto de fato “arrebentou”, mas na conotação negativa da expressão. No caso, a própria imagem da igreja, já bastante combalida.

Veja abaixo como são as apresentações dos Gladiadores do Altar: