Você está aqui: Página Inicial / Revista / À beira da recessão / A Grécia na hora do voto de protesto
Número 834,

Internacional

Entrevista

A Grécia na hora do voto de protesto

por Gianni Carta publicado 24/01/2015 09h29
Segundo Stan Draenos, um governo liderado pelo Syriza poderá desencadear um “efeito dominó” para incluir a FN de Marine Le Pen. E outros mais...
Melaos Michalatos / AFP
Tsipras

Tsipras tem o mérito de promover o debate, mas ainda tem de mostrar a que vem, diz Draenos

Os extremismos se assemelham. É o que ficará claro se o Syriza conseguir formar um governo. Quase certa é a vitória dessa legenda de extrema-esquerda nas legislativas antecipadas de domingo 25, salvo uma grande surpresa. A previsão é de numerosos observadores, inclusive o greco-americano Stan Draenos, analista político e biógrafo do ex-premier socialista Andreas Papandreou (1919-1996). Medidas de austeridade impostas pela Troika (Banco Central Europeu, UE e FMI) não funcionaram durante seis anos de recessão. A Grécia sofreu uma queda de produtividade de 25%, tem um nível de desemprego de 26%. Pelo menos 30% da população está mergulhada na miséria.

Alexis Tsipras, líder do Syriza, pretende permanecer na Zona do Euro. No entanto, seu programa econômico de inspiração keynesiana não poderá ser implementado “sem violar os acordos de políticas econômicas selados com os credores”, diz o analista. Draenos leva em conta uma União Europeia, onde o mercado livre é o alvo abençoado pela chanceler alemã, Angela Merkel. Nem por isso ele tem certeza de que Tsipras é a solução.

Outro obstáculo: caso o Syriza não consiga formar um novo governo em três dias, a segunda legenda mais votada, certamente a conservadora Nova Democracia, do atual premier Antonis Samaras, tentará forjar outra aliança. Se também a ND falhar, será a vez do terceiro colocado, o partido social-democrata To Potam (O Rio), ou a legenda neonazista Aurora Dourada (Chrysi Avgí). Nesse contexto, o “efeito dominó”, observa Draenos, inclui extremistas de esquerda e direita Europa afora. Exemplo: a Frente Nacional e a Frente de Esquerda, na França. Ambos os partidos apoiam o Syriza. Contradição? Nada disso, sustenta Marine Le Pen. “Trata-se de o povo reassumir a luta contra o totalitarismo da UE.” Para Le Pen, embora o Syriza queira manter o euro, o importante é que eles se opõem às políticas de austeridade da UE.

CartaCapital: Como vê Tsipras como político?

Stan Draenos: Pouco mais de 40 anos, Tsipras tem uma voz sedosa, é articulado, autoconfiante e simpático. Mas não é carismático, imponente. Ainda tem de demonstrar capacidades de liderança. Sua inabilidade, ou falta de vontade, de confrontar a facção eurocética de sua legenda levanta questões para os eleitores indecisos e críticos de uma vitória convincente do Syriza.

CC: Nesta época em que legendas de extrema-direita como a Frente Nacional, na França, estão angariando cada vez mais votos, como explicar o fato de o Syriza ser o favorito, e não a Aurora Dourada?

SD: A ligação da Aurora Dourada com a violência é repulsiva para a maioria dos gregos. Além disso, com vários dos seus deputados na prisão por acusações criminosas, a legenda teve dificuldade em realizar uma eficaz campanha eleitoral. Seu apoio eleitoral parece ter caído para o núcleo de base de cerca de 5%. Por outro lado, o Syriza tem raízes na exposição progressista dos socialistas, que surgiu com a queda da junta militar em 1974. Essa linha atrai um público muito maior.

CC: Tsipras não quer a Grécia fora da Zona do Euro. Mas seu programa rema contra a austeridade imposta pela Troika. É possível a Grécia manter o euro e, ao mesmo tempo, implementar políticas keynesianas?

SD: O Syriza ainda não explicou de forma convincente onde vai encontrar os fundos para os 12 bilhões de euros que colocariam um fim na austeridade, como promete aos eleitores. No atual contexto da UE, o Syriza não pode implementar políticas keynesianas sem violar os acordos de políticas econômicas selados com os credores. Mas, mesmo se pudesse, o keynesianismo é uma proposta questionável quando um país faz parte de uma comunidade econômica de livre mercado. Como Andreas Papandreou salientou décadas atrás, um estímulo keynesiano à demanda dos consumidores seria absorvido pelas importações de outros países produtores de bens que os gregos querem e não são oferecidos pela economia grega. Para ser eficaz, uma política keynesiana teria de integrar um programa geral da UE.

CC: Thomas Piketty, defensor de políticas keynesianas, disse que o problema não é Tsipras, e sim Angela Merkel.

SD: A Espanha sofreu um período mais longo de nível elevado de desemprego. De qualquer forma, esse fenômeno é a prova mais flagrante de que acabou a chamada vitória do “capitalismo” sobre o “socialismo real” da União Soviética, bem como sobre a social-democracia. Algo está errado em um sistema econômico que não pode fornecer níveis adequados de emprego. Piketty talvez tenha razão ao dizer que Merkel é o problema. Mas ainda tenho de ser convencido de que Tsipras é a solução. Dito isso, o Syriza pelo menos conseguiu dar início a um novo debate.

CC: A questão parece ser com quais siglas o Syriza formará uma aliança.

SD: Não é questão de pesquisas, mas das relações entre as legendas. Tsipras jamais colaboraria com o socialista Evangelos Venizelos, do Pasok. O Syriza o demoniza. Por sua vez, Stavros Theodorakis, do To Potami, está aberto a falar tanto com o Syriza quanto com a Nova Democracia. No entanto, Theodorakis se oporia às posições declaradas sobre a dívida do Syriza: as veria como perigosas para a permanência da Grécia na Zona do Euro. O Syriza não aceitaria comprometer sua estratégia em relação aos credores da Grécia, a fim de ganhar entre cinco e dez assentos adicionais para obter maioria parlamentar. O Syriza também rejeitou alianças pós-eleitorais com todas as siglas implicadas em políticas de austeridade nos últimos seis anos. E Tsipras tem feito apelos simbólicos para obter o apoio de dois partidos anti-UE, como o velho Partido Comunista e da extrema-esquerda Antarsya (Revolta). Tsipras, na verdade, quer minar a base eleitoral dessas agremiações. Diante da perspectiva de se tornar o primeiro partido, mas sem cadeiras suficientes para ganhar um voto de confiança, Tsipras anuncia aos eleitores a necessidade de votar no Syriza para a legenda obter maioria parlamentar. Se a tática der certo, o Syriza poderá angariar de 36% a 38% do voto popular. E, assim, ganharia o “bônus” de 50 assentos garantidos ao primeiro partido pela lei eleitoral da Grécia. No entanto, as pesquisas indicam que isso vai ser difícil, embora não impossível. Existe, é claro, a possibilidade de um segundo turno. Isso a despeito de a vasta maioria querer evitá-lo. Motivo: um segundo turno causaria mais danos para a economia. Haveria também um tremendo impacto na capacidade do país em lidar com as obrigações da dívida, em julho e agosto.

CC: Acredita em um efeito dominó desencadeado pelo Syriza em países como a Espanha, onde o movimento Podemos está à frente nas sondagens das eleições legislativas deste ano, e outras siglas, como a Frente de Esquerda, na França, o Die Link na Alemanha etc.?

SD: De fato, uma vitória do Syriza mobilizaria outras forças políticas europeias opostas à austeridade imposta pela Alemanha. No entanto, nesse quadro há legendas direitistas ultranacionalistas e eurocéticas, como a de Marine Le Pen. Governos de centro-esquerda na França e na Itália não aprovam a austeridade imposta pela Alemanha, mas não parecem se solidarizar com o programa do Syriza. Esse programa inclui não só uma considerável amortização da dívida, mas também a revogação de reformas públicas e no setor privado, e um relaxamento da disciplina fiscal. Tsipras cita possíveis vitórias do Podemos nas eleições espanholas no fim de 2015 como prova de mudanças na Europa. Contudo, goste-se ou não, a Grécia não tem acesso aos mercados financeiros. Depende dos credores da Troika.

CC: Mas o eleitor de Tsipras não difere daquele de Le Pen?

SD: Na Grécia, o voto anti-imigrante é, em grande parte, da direita. A “conexão” entre o Syriza e a FN, na França, baseia-se na crescente oposição do povo ao establishment. Isso se deve ao fato de as políticas europeias terem falhado nas áreas da economia e da imigração.

CC: O senhor mencionou o fato de os partidos de centro-esquerda como os de François Hollande e o de Matteo Renzi não aprovarem o programa antiausteridade do Syriza. Mas esses seguidores da “Terceira Via” de Blair desiludiram seus eleitores. Além disso, alguns críticos argumentam que o partido político, na sua acepção tradicional, está morto.

SD: O partido político pode estar “espiritualmente” morto como veículo adequado para algo que poderíamos chamar de vida política democrática. No entanto, ainda por meio dos partidos opera a democracia parlamentar, ao menos formalmente.

registrado em: ,