Você está aqui: Página Inicial / Revista / Dilma com a palavra / Lázaro Ramos em bom malandrês
Número 822,

Cultura

Cinema

Lázaro Ramos em bom malandrês

por Orlando Margarido — publicado 20/10/2014 05h24
Atror estreia em 'O Grande Kilapy', do diretor angolano Zezé Gamboa
Divulgação
O grande Kilapy

Com lábia e elegância, Joãozinho (Lázaro Ramos) vai de vilão a herói

Com a boa-pinta e os ternos claros e bem-cortados, o personagem de Lázaro Ramos em O Grande Kilapy, estreia da quinta 23, evoca um malandro típico que poderia flanar pela Salvador, onde o ator nasceu, ou pelo Rio de Janeiro de histórica boêmia. Mas se seu Joãozinho atende à figura dedicada ao bem viver, em um perfil que nos é muito próximo, o cenário corresponde a local e período incomuns no cinema por aqui. É na Angola do período colonial que se passa a trama do jovem herdeiro de família rica e seu destino ao aplicar o grande golpe, o sentido da expressão do título em kimbundu.

O filme do angolano Zézé Gamboa é uma coprodução entre Brasil, Portugal e Angola e conta no elenco com Antonio Pitanga e Hermila Guedes. Esta faz o par romântico com Joãozinho, homem de muitas mulheres, como convém a um malandro, que pouco mede as consequên­cias quando desvia dinheiro do banco em que trabalha para repassar aos militantes pela libertação do país. Acaba preso e ao sair é feito herói.

Simples e esquemática assim, a trama padece de certo tom noveleiro. Aposta numa ingenuidade e no conceito unidimensional dos personagens que traduzem não mais que a boa intenção de um quadro de época. Isso talvez soe anacrônico. Mas faz lembrar a etapa de amadurecimento pela qual passa toda a cinematografia de um país e de que não escaparam outros de sotaque lusófono.

Confira abaixo o trailer do filme:

registrado em: , ,