Você está aqui: Página Inicial / Revista / A velha polarização / Mire na Dilma
Número 820,

Política

Análise / Mauricio Dias

Mire na Dilma

por Mauricio Dias publicado 10/10/2014 10h09, última modificação 13/10/2014 15h47
De como a mídia atirou contra a reeleição para favorecer Aécio antes de Marina
Reprodução

Botão Eleições 2014O acompanhamento do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) da cobertura editorial dos três mais influentes jornais brasileiros – O Globo (RJ), O Estado de S. Paulo (SP) e Folha de S.Paulo (SP) – sobre a eleição presidencial de 2014, não deixa dúvidas de que a mídia brasileira fez da presidenta Dilma Rousseff o “alvo” de um bombardeio contrário à reeleição. “Há um pronunciado viés anti-Dilma”, acentua o cientista político João Feres Júnior, do Laboratório de Estudo e Esfera Pública do Iesp.

Identificados como “valências contrárias”, os gráficos expressam textos e manchetes negativas nos três jornais, todos situados na Região Sudeste, onde, até agora e não por acaso, nenhum candidato do PT ganhou eleição para governos locais. A resistência capitaneada pela mídia, substituta de trêfegos adversários nessas ocasiões, é um dos obstáculos. No Rio, entretanto, há um diferencial. A eleição de Leonel Brizola, em 1982. Ele bloqueou a vitória de candidatos conservadores em confronto com o Sistema Globo.

A eleição presidencial de 2014 é a sétima disputa com a presença de um candidato do Partido dos Trabalhadores, sempre sob  bombardeio dos “Barões da Mídia”. É também a primeira sem presença de um candidato paulista. Na última semana que antecedeu o dia 5 de outubro, considerando os três jornais, o ataque da Folha de S.Paulo, anota Feres, torna-se ainda mais vitriólico.

“A Folha dedicou 12 matérias negativas nas capas, quase duas por dia, enquanto Marina recebeu somente uma. A mesma desproporção aguda se nota nos outros jornais.” Ele chega a manifestar uma perplexidade insólita nos meios acadêmicos: “Os três jornais exibem um viés escancarado e agressivo contra a candidatura do PT”. E destaca a “intensidade” com a qual O Globo e O Estado de S. Paulo massacram “a candidata da situação (Dilma) em suas capas”.

O trabalho destaca uma situação curiosa, mostrada nos gráficos, a partir das curvas e quedas dos candidatos. Logo após a indicação de Marina para disputar a Presidência, os negativos de Dilma têm forte queda e os de Marina, forte alta.

“Mas já na semana de 24 a 30 de agosto, Dilma volta a subir, paralelamente a Marina, até ultrapassá-la na primeira semana de setembro, atingindo na segunda semana daquele  mês o recorde da série toda, que é de 24 notícias negativas nas capas dos jornais. Os negativos de Marina continuaram a cair até atingirem a marca de 3 por semana (...) enquanto Dilma flutuava de 18 a 19 negativas”, anota Feres.

Que bicho é esse? Feres, sucessor de Marcus Figueiredo, falecido recentemente, nessa tarefa de analisar e criticar a mídia, tenta identificar: “A cobertura negativa dada às duas candidatas (...) só poderia beneficiar o outro contendor, Aécio Neves”, já então no terceiro lugar. Ou seja, a mídia ajudou a reavivar a candidatura do PSDB, investindo na desconstrução de Marina.

É direito de a imprensa ter e exercer opinião e preferências políticas. Oculta, contudo, esse direito, atrás do discurso da isenção e da imparcialidade, embora seja um ator político como qualquer outro. Só que, por interesse, confunde o direito de informar como imprensa com o direito de ter interesses como empresa.