Você está aqui: Página Inicial / Revista / JBS, negócio suspeito / André Vargas no cadafalso
Número 814,

Política

Congresso

André Vargas no cadafalso

por Redação — publicado 23/08/2014 06h58
O Conselho de Ética aprova a cassação do deputado petista
José Cruz / ABr

O conselho de ética da Câmara dos Deputados aprovou a cassação de André Vargas por envolvimento com o doleiro Alberto Youssef. Onze deputados votaram a favor do relatório de Julio Delgado, do PSB, e três petistas integrantes do Conselho não participaram da votação. O parecer baseia-se em testemunhos colhidos pelo relator e nas investigações da Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato.

Ex-vice-presidente da Câmara e coordenador de comunicação do PT, Vargas foi flagrado em conversas telefônicas e mensagens trocadas com o doleiro acusado pelo Ministério Público de ser o líder de um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou cerca de 10 bilhões de reais nos últimos anos. Para o Conselho de Ética, a relação estreita entre eles resultou em quebra de decoro parlamentar em dois momentos: quando o deputado viajou em avião pago pelo doleiro e ao intermediar contratos de um laboratório de Youssef com o Ministério da Saúde.

Vargas ainda pode recorrer da decisão, mas, caso ela seja mantida, terá de convencer 257 deputados a votar contra sua cassação. É preciso maioria simples dos 513 deputados para aprovação. Em nota, Vargas afirma que o processo avança com açodamento e politização excessiva. “Todo o processo foi conduzido sem quórum e de forma autoritária, sem permitir o livre exercício da minha defesa. A instrução é nula e procuraremos demonstrar isso na CCJ e no Judiciário.”