Você está aqui: Página Inicial / Revista / O poder evangélico / O canhão Lula
Número 811,

Política

Análise / Mauricio Dias

O canhão Lula

por Mauricio Dias publicado 02/08/2014 06h16
O poder de fogo do ex-presidente como cabo eleitoral assusta os adversários na véspera eleitoral. Veremos como se portam seus candidatos
Heinrich Aikawa/Instituto Lula
Lula

Em pesquisa feita no Pernambuco, Lula foi eleito o melhor presidente do Brasil com 89,9% dos votos

Presidente da câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves é o candidato favorito ao governo do Rio Grande do Norte, estado que a família Alves domina há muitos anos e onde o partido dele, o PMDB, trava nesta eleição um combate por votos com o PT, do qual o ex-presidente Lula é presidente honorário.

“O PMDB quer um espaço maior na campanha, saber qual a estratégia da presidenta Dilma nos palanques estaduais e como será a presença do canhão Lula”, já disse Alves.

O ex-presidente é uma espécie de vice-rei do Norte-Nordeste, para usar uma referência política dos anos 1930, quando Getúlio Vargas indicava os governadores, então chamados presidentes dos estados. Alves não é o único aliado preocupado com os efeitos da intervenção de Lula no processo eleitoral. No Rio de Janeiro, o senador petista Lindbergh Farias conta com ele para ganhar o poder no estado. Note-se que, oficialmente, Dilma apoia Luiz Fernando Pezão, do PMDB.

Quem estranhar o interesse de Alves e Lindbergh sobre a presença do ex-presidente nas eleições, confira as razões. Uma delas, a pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau, em novembro de 2010, tira qualquer dúvida sobre a influência político-eleitoral de Lula naquela região.

Pergunta do pesquisador: “Qual foi o melhor presidente do Brasil?”

A resposta está inserida no livro Eleições não São para Principiantes – Interpretando eventos eleitorais no Brasil, do cientista político Adriano Oliveira e outros autores, que em poucos dias sairá do forno para as livrarias.

Segundo 89,6% dos eleitores pernambucanos, o sexto maior colégio eleitoral do País (com mais de 6 milhões de votos), o pernambucano Luiz Inácio Lula da Silva foi o melhor presidente da história do Brasil. Ele é secundado pelo ex-presidente FHC, que alcança 1,9% de citações e é seguido por Getúlio Vargas, com 1,0%. De qualquer modo uma surpresa, já que Vargas desapareceu da vida pública em 1954. Optou pelo suicídio, como se sabe, diante de pressão extrema da direita liderada então por Carlos Lacerda, da UDN.

Poderia haver nesta resposta uma contaminação emocional de conterrâneos. Talvez. A influência de Lula, e do lulismo, é, porém fenômeno pressentido e estudado pelos acadêmicos. E tudo vai muito além de Pernambuco.

“O bem-estar econômico dos brasileiros contribuiu – à parte outros fatores (...) − para a avaliação pujante da administração do presidente Lula e o elevado índice de confiança nele depositado”, explica Adriano Oliveira.

Ele faz outras considerações: “Embora o survey tenha sido realizado em um único estado brasileiro, os dados apresentados lançam hipóteses de como o lulismo se manifesta em outras regiões do Brasil”.

Quando se considera, no entanto, o poder de fogo de Lula na campanha eleitoral, Adriano Oliveira pondera que “não se deve desprezar a ação das circunstâncias políticas e econômicas e o desempenho eleitoral de diversos atores, uma vez que as consequências delas podem possibilitar o fortalecimento ou o enfraquecimento do capital eleitoral do ex-presidente”.

registrado em: ,