Você está aqui: Página Inicial / Revista / Jogo Amado, Negócio Sujo / A direita mostra a cara
Número 804,

Política

Análise / Mauricio Dias

A direita mostra a cara

por Mauricio Dias publicado 14/06/2014 12h09
O aumento da participação popular é rejeitado pela reação com a surpreendente acusação de ser antidemocrático
Domínio Público

O decreto de criação da Política Nacional de Participação Social (PNPS) fez a direita botar a cara para fora mais uma vez. Assumiu a distância que a separa do cidadão e, principalmente, dos movimentos sociais. Desde 1964, quando radicalizou e sustentou a derrubada de um governo constitucionalmente eleito, a reação conservadora não se assanhava tanto quanto agora.

Tangida pelo vozerio da mídia contra o decreto, enviado há duas semanas ao Congresso por Dilma Rousseff, a decisão da presidenta esbarrou no batismo de fogo. À falta da ameaça comunista, manuseada pelos idiotas da Guerra Fria, foi o PNPS tachado pelos patetas recentes de repetir políticas bolivarianas, chavistas.

Traduzindo a acusação, o decreto seria uma forma de reduzir o papel do Legislativo. E, mais, seria uma tentativa do governo de usar um instrumento da democracia direta para controlar os movimentos sociais.

Medo. Medo de quê? O decreto orienta a criação de conselhos, comissões, ouvidorias, audiências públicas, conferências e mais coisas no sentido de instruir consultas à “sociedade civil” sobre ações do governo.

“Somos a favor da consulta, a favor da participação de todos os segmentos no processo de estruturação das políticas do governo”, afirmou a presidenta em defesa da política de participação social.

Para alguns, porém, o decreto seria algo como o Cavalo de Troia. Traria embutido nos seus 22 artigos um processo de superação dos trabalhos do Legislativo. Pura superstição conservadora.

Debruçada sobre a questão há vários anos, a professora Thamy Pogrebinschi afirma que “há um alto grau de diálogo entre deliberações propostas nas conferências nacionais e a ação dos parlamentares no Congresso”.

De acordo com as pesquisas feitas por ela, considerando projetos e legislação aprovada, “o Parlamento brasileiro espelhou de forma convergente em sua ação legislativa as demandas da sociedade civil em 3.057 oportunidades”.

Decididamente, não gostam da democracia do lado de baixo da linha do Equador. Gostam de vê-la engessada por descaso com as transformações exigidas nas mobilizações sociais, como ocorreu nas jornadas populares de 2013.

Não é difícil rastrear as reações primárias da direita. Se a PNPS representa para ela um dos princípios da política chavista, o programa Mais Médicos chegou a ser identificado como infiltração do regime cubano no Brasil. Elementar: como os médicos são funcionários do governo cubano, logo são espiões. O sistema de cotas para negros, pardos, pobres e indígenas foi rejeitado, inicialmente, por uma suposição preconceituosa: quebraria o princípio da meritocracia.

Para dar o último exemplo de uma lista muito mais longa, fica registrado o fracasso da democracia brasileira: a regulação da mídia não foi discutida e muito menos votada. Prevaleceu a falsa ideia de que o objetivo era censurar a imprensa.

registrado em: ,