Você está aqui: Página Inicial / Revista / A misteriosa morte do torturador / "O Passado", o novo filme de Asghar Farhadi
Número 798,

Cultura

Cinema

"O Passado", o novo filme de Asghar Farhadi

por Orlando Margarido — publicado 07/05/2014 04h48
Diretor de "A Separação" volta ao tratamento dos valores arraigados da religião, moral, ética e justiça, aliado a um contraste social de classes
Divulgação
Família

Tahar Rahim e Bérénice Bejo, dilemas morais em subtramas cruzadas

Há muitos temas em O Passado, novo filme do iraniano Asghar Farhadi previsto para quinta 8, e isto parecerá a alguns ambição desmedida e a outros a maior qualidade. É do cinema deste realizador tratar de seu país pelos valores arraigados da religião, moral, ética e justiça, aliados a um contraste social de classes, como em A Separação. Agora há a família partida, o que comunga para aproximar as duas histórias e uma comparação. Mas Farhadi quer ir além e soma outros elementos ao contexto, como o das diferenças de identidade, a imigração, entre o Irã e a França, onde filma, e das novas famílias. A proposta não é sempre fluente, mas não em prejuízo do todo.

No início, a separação está dada e Ahmad (Ali Mosaffa) chega a Paris para consumar o divórcio com Marie (Bérénice Bejo, de O Artista). Ela vive com novo companheiro, Samir (Tahar Rahim), e o filho deste de casamento anterior, razão de recente tragédia. Sua ex-mulher tentou o suicídio e entrou em coma. A complicar o enredo somam-se as duas filhas de Marie do relacionamento primeiro. É o embate da mais velha, uma adolescente, com seu novo padrasto, e o conflito de consciência deste, o pivô da desestruturação por vir.

Costurar esta narrativa novelesca, sem o acréscimo facilitador do melodrama, soa por vezes tortuoso. Em especial quando a história se desloca a um segundo eixo, em que uma funcionária de Samir terá o ônus de uma revelação. Se menos habilidoso em cruzar tantas subtramas, Farhadi tem o dom de radiografar seu drama em uma periferia parisiense e sua conjuntura de pouca representação no cinema, um benefício possível ao olhar de fora.

registrado em: ,