Você está aqui: Página Inicial / Revista / Quem é capaz de mudanças? / A tentativa de ser víbora
Número 794,

Sociedade

Editorial

A tentativa de ser víbora

por Mino Carta publicado 04/04/2014 05h42, última modificação 07/04/2014 10h05
A pergunta é a seguinte: por que alguns recalcados insistem em me caluniar?
Reprodução
Veja

Final de 1969, esta histórica edição de Veja foi apreendida nas bancas de todo o País

Afirmo com absoluta tranquilidade que procurar deslizes morais na minha carreira de jornalista é como se Moisés pretendesse separar as águas do Mar Vermelho com uma britadeira. Muitos cometi, e se quiserem pecados, como indivíduo, e me perseguem até hoje. Como profissional de imprensa, não.

Há, porém, pretensos colegas que não desistem dessa busca, obsessivamente, por razões insondáveis. E nem falemos dos esforços despendidos para apontar em CartaCapital uma publicação que sobrevive por obra da publicidade governista. A preocupação dos porta-vozes da casa-grande em relação a este semanário nos valoriza, está claro, mas falo aqui das aleivosias assacadas contra a minha modesta pessoa.

Foram inúmeras. Recordo, entre 1970 e 1974, Amaral Neto, no vídeo da Globo, e Lenildo Tabosa Pessoa, em matéria paga no Estadão, unidos na acusação que me situava como agente, ao mesmo tempo, do Kremlin e da Máfia siciliana. É apenas um exemplo, embora retumbante. Não faz muito tempo, um dos meus acusadores contumazes soletrou que, em 1964, quando eu dirigia a revista Quatro Rodas, organizei uma festa na redação para celebrar o golpe civil e militar. Entre atônito e perplexo, encaro a revelação como sinal de uma forte vocação ficcional, de resto nada incomum nos domínios da mídia nativa.

A redação de Quatro Rodas, pequena e valente, contava com repórteres da competência de José Hamilton Ribeiro e Paulo Patarra, e, como diretor de Arte, com George Duque Estrada. Não se tratava de empedernidos reacionários. À tal festa, além do mais, faltaria quórum. O redator-chefe, Vitor Antonio Gouveia, este sim, tinha pendores direitistas, e eu não tive maior dificuldade em sentir que, a depender dele, perpetrado o golpe, assistiríamos a uma caçada às bruxas.

Procurei o patrão, Victor Civita, e disse a ele que qualquer gênero de ação punitiva teria de passar sobre o meu cadáver. Mais, que a ação seria a minha, preventiva. Foi Gouveia o primeiro jornalista que despedi, depois dele só foram mais três ao longo de toda a minha vida de diretor de redações.

O último dos detratores escreveu faz escassos dias, ao retomar as acusações de outro do mesmo naipe, que ninguém, senão eu, deitou loas tão desbragadas a favor do ditador Garrastazu Médici e da famigerada Oban, que mais tarde se tornaria DOI-Codi, masmorra dos torturadores. Deve ser por causa disso que Veja, o semanário que dirigia naquela quadra plúmbea, mereceu a censura feroz da ditadura, bem ao contrário do jornal onde assina suas bobagens o acusador em questão.

Deve ser por causa disso que Ernesto Geisel, por intermédio de Armando Falcão, seu ministro da Justiça (justiça?), exigiu minha cabeça para autorizar um empréstimo de 50 milhões de dólares, pela Caixa Econômica Federal, à Editora Abril. Karlos Rischbieter, então presidente da CEF, contou essa história no seu livro de memórias, publicado há poucos anos, sem omitir a menção ao ódio que o ditador me devotava. Muita honra para um modesto escriba.

Antes de repetir o fim de São João Batista, eu me demiti: não queria um único centavo dos donos da Abril, o que se daria se fosse demitido. Houve quem sugerisse que fazia jus a uma justa comissão sobre o empréstimo enfim recebido pela Editora. Com a devida e exaltante ironia. Mandei-me, e se foi também a censura, obviamente. Sobrou um belo enredo para impressionar meus netos. Óbvio, também, que nunca escrevi a favor da Oban.

Quanto a Garrastazu Médici, convém relembrar que algumas vezes, em anos de Veja, pareceu conveniente adotar a retórica golpista para ludibriar seus autores e censores. Explico com um exemplo. Quando o terceiro ditador foi empossado, saiu-se com um discurso pretensamente poético, em que se declarava vindo do minuano, o indomável vento dos Pampas. Ghost-writer, o coronel Otavio Costa, que sete anos após, promovido a general, proibiria minha participação em um debate sobre jornalismo organizado por Ruth Escobar no seu teatro paulistano.

Geisel mandava e havia quem executasse a ordem suprema. Estávamos em 1976. Três meses antes do debate, Armando Falcão proibira um programa de televisão que na Tupi me escalava como âncora, programa quinzenal razoavelmente anódino, do qual já haviam sido gravados dois capítulos. No dia da estreia, Falcão bicou seu niet.

Volto a 1969, quando em Veja decidimos cometer uma ousadia. O plural não é majestático. Havia um colegiado para reunir os dois redatores-chefes, os editores e o chefe de reportagem, e debater abertamente os rumos a serem tomados. Muitos dos participantes estão vivos, felizmente. Uma equipe de oito repórteres, incluído o chefe Raimundo Pereira, desenvolvera um trabalho capilar sobre tortura. Tratava-se do levantamento completo, detalhadíssimo, de três casos de assassínio, e de mais 150, arrolados um a um, juntamente com as informações principais. Trabalho encerrado, pareceu-nos ter chegado a hora de tentar publicá-lo nas barbas “do homem que veio do minuano”.

Tratado, porém, de forma que pretendíamos astuta, o terceiro ditador. Baseados no tom moderado do seu pronunciamento de recém-empossado, logo saímos com uma capa de chamada positiva, “O presidente não admite tortura”. Antes que uma informação, era ilação audaciosa. Feliz, no entanto, estranhamente: a mídia desta feita veio atrás da gente, os jornais falaram de tortura dias a fio.

Cresceu nosso ânimo. Graças a uma condição apresentada por mim para aceitar a direção da redação de Veja, eu gozava de notável autonomia: os donos da casa não tinham acesso à pauta e saberiam de cada edição depois da publicação, na manhã das segundas. Na noite de sexta-feira daquela semana agitada, recebemos a informação de que estava proibida qualquer referência às torturas. O fechamento então dava-se aos sábados.

Já passara das 22 horas, mandei a telefonista cortar de vez as comunicações da Abril para impedir que um chamado repentino obstasse nosso plano. A revista foi às bancas, e lá foi apreendida em todo o País. Não era um fato novo, repetira-se várias vezes desde uma edição de outubro de 1968, a de número 5, que trazia na capa a prisão das centenas de participantes do congresso da UNE em Ibiúna. Acrescento que, como diretor de Veja, tive de prestar cerca de 40 depoimentos aos esbirros da Polícia Federal e dois anos após a publicação da capa sobre tortura passei mais de uma hora à frente de um inquisidor de luxo e mestre em tortura, o delegado Sérgio Paranhos Fleury.

Encerrado o capítulo Veja, para levar adiante minha vida de jornalista tive de inventar meus empregos, dos 42 aos atuais 80 anos. Não me queixo, pelo contrário, agradeço aos fados. O último detrator conta com espaço nas páginas de um jornal que no momento faz mea-culpa por ter apoiado o golpe e o regime de exceção por algum tempo para assumir, alega, postura oposta ao meio do período ditatorial. Será por causa desta destemida guinada que em setembro de 1977 Claudio Abramo, finalmente chamado três anos antes a dirigir o jornal para lhe conferir a qualidade até então letra morta, foi afastado da direção?

Valia na ocasião agradar ao general Silvio Frota, candidato à sucessão de Geisel, e seu cabo eleitoral, Hugo Abreu. Queriam uma Folha mais submissa. Octavio Frias de Oliveira, com quem sempre mantive ótimas relações e para quem trabalhei como colaborador em duas diversas oportunidades, apostava na ascensão de Frota, o qual foi demitido de ministro do Exército exatos 26 dias após o afastamento de Abramo. Quanto ao filho do fundador, Otavinho, em data recente defendeu a ideia de que foi ditabranda um regime disposto a assassinar e torturar.

De minha parte, estou farto de ataques: a partir de agora, processarei os caluniadores. Ao cabo, evoco o mito empolgante de Perseu, aquele que enfrentou a Górgona, com sua cabeleira de serpentes, víboras creio eu. Bastava encarar o monstro para ficar de pedra. Perseu, coberto pelo escudo, voltou-lhe a outra face sabiamente polida na direção da Górgona, e esta, espelhada inexoravelmente, padeceu os efeitos de sua própria maldição. Não pretendo ser Perseu, e os meus detratores não me parecem qualificados para a tarefa de petrificar quem quer que seja. Mas às víboras da Górgona talvez se assemelhem. Sugiro, de todo o modo, que se mirem no espelho de suas próprias medíocres vidas de recalcados.

registrado em: