Você está aqui: Página Inicial / Revista / Especial Os 50 anos do golpe / Um herói de caráter
Número 793,

Cultura

Cinema

Um herói de caráter

por Orlando Margarido — publicado 29/03/2014 09h15, última modificação 29/03/2014 10h33
Cosme Alves Netto e o amor aos filmes no 19º É Tudo Verdade. Por Orlando Margarido
Cinema

Notáveis: Alves Netto, Humberto Mauro, Alex Viany e Emílio Salles Gomes

19º É Tudo Verdade
De 3 a 13 de abril, SP, RJ, BH e Brasília

O sentido de abnegação, os amigos e o cinema brasileiro se encarregaram de reconhecer. Mas o fato de Cosme Alves Netto (1937-1996) ter sido de índole cristã, nascido de família manauara abastada que optou por outra fortuna, a da cinefilia e salvaguarda de filmes, talvez seja menos público. A condição católica de início não se chocava com o futuro militante de esquerda, pois,  lembra o diplomata Arnaldo Carrilho, há algo de messiânico nas atividades. Sobre o restante nos detalha Tudo por Amor ao Cinema, do amazonense Aurélio Michiles, programado para o 19º É Tudo Verdade (www.etudoverdade.com.br), festival de documentários entre 3 e 13 de abril em São Paulo e Rio de Janeiro, com extensão a Campinas, Brasília e Belo Horizonte.

Emerge do retrato de Michiles o abnegado dos filmes. Caso sintomático foi a derradeira exibição de Alô Alô Carnaval, quando programador do Cine Paissandu. Também surge o homem político, preso pelos militares, de quem Alves Netto conseguiu esconder películas proibidas na Cinemateca do MAM carioca, onde foi curador quatro décadas. Este aglutinador Nelson Pereira dos Santos homenageou em Cinema de Lágrimas.

De outras memórias mais amplas se encarregará boa parte dos 77 títulos de 26 países. Na revisão nacional se destaca o cinema de Helena Solberg, de quem se conhece cinco filmes iniciais ou realizados no exterior. Do notável Eduardo Coutinho, morto em fevereiro, serão exibidos dois inéditos que recuperam a gênese de Cabra Marcado para Morrer. Entre figuras notórias há ainda Bernardes, de Gustavo Gama e Paulo Barros, sobre o arquiteto Sergio Bernardes, e o músico Dominguinhos, revelado por trio de diretores. De uma visão urgente saem projetos sobre as recentes manifestações como 20 Centavos, de Tiago Tambelli, contraponto interessante a uma análise da mídia em O Mercado de Notícias, de Jorge Furtado.

Na seção internacional comparecem experiências de Shohei Imamura, A Mentira de Armstrong, de Alex Gibney, sobre o ciclista Lance Armstrong, Ai Weiwei – O Caso Falso, de Andreas Johnsen, sobre o artista chinês, Bardot, a Incompreendida, retrato da atriz que não concede entrevista ao diretor David Teboul, e O Homem Que É Alto é Feliz?, entrevista de Michel Gondry com Noam Chomsky. – Orlando Margarido

registrado em: