Você está aqui: Página Inicial / Revista / Por dentro do Irã / Dilma enfrenta o “blocão” e os boatos
Número 792,

Política

Análise / Mauricio Dias

Dilma enfrenta o “blocão” e os boatos

por Mauricio Dias publicado 22/03/2014 07h51, última modificação 22/03/2014 08h36
A presidenta encarou a mais forte crise provocada por um partido da própria base política, o PMDB. Não foi um confronto qualquer
ABr

Dilma enfrentou e superou a mais forte crise provocada por um partido da própria base política. Não foi um confronto qualquer. Ela bateu-se com o PMDB, o maior e mais influente aliado da base de apoio governista no Congresso. Falou-se até mesmo, para susto nos mais ingênuos, em rompimento da aliança.

A presidenta pagou um preço pela pacificação. Principalmente aos deputados. Relutante, como de outras vezes, entregou um naco da administração, liberou verbas parlamentares e recuou em alguns pontos para resgatar a votação do Marco Civil da Internet. Tudo isso e algo mais, dentro das distorcidas regras das alianças políticas e do inchaço de uma administração com 39 ministérios. Assim diluiu gradualmente o chamado “blocão” de governistas e oposicionistas. Por onde passou um boi passou, em seguida, toda a boiada.

Alguns fanáticos da base governista chegaram a acreditar que muito mais gente, além deles próprios, romperia com a presidenta. Blefe. Quem desafiaria até o fim uma candidata que tem enorme chance de se reeleger?

Tentaram alguns golpes baixos. Não terá sido por coincidência a simultaneidade do grande debate no Congresso na quarta-feira 19, sobre a compra, pela Petrobras, da refinaria de Pasadena (EUA) com o boato de que a pesquisa Ibope, a ser divulgada no dia seguinte, apontava uma queda de 8 pontos nas intenções de voto para ela. Houve quem ganhou dinheiro com isso. Era especulação do mercado.

O Ibope trouxe o resultado: Dilma 43%, Aécio 15%, Eduardo Campos 7%.

Nada diferente das sondagens anteriores de quatro institutos (tabela). Todas indicam que, se Dilma ainda não pode se dizer reeleita, os adversários estão em maior dificuldade. Aécio e Eduardo tentam criar condições para um deles travar a batalha de segundo turno. As pesquisas são de datas diferentes, mas não distantes.

Os porcentuais mostrados, quando traduzidos em votos válidos, assustam mais os opositores. O número de votos brancos e nulos varia em torno de 24%. Um porcentual bem próximo dos resultados do primeiro e do segundo turno nas eleições de 2002 (Lula e Serra), 2006 (Lula e Alckmin) e 2010 (Dilma e Serra).

Dilma Rousseff chega, seis meses antes da eleição, com uma supremacia de votos arrasadora sobre Aécio Neves e Eduardo Campos. Se a eleição fosse hoje, ela se reelegeria no primeiro turno, com mais de 60% dos votos válidos. Aécio Neves e Eduardo Campos teriam, no melhor cenário, 25% e 12%, respectivamente. Juntos, alcançariam 37% dos votos.

Imbatível a presidenta não é. Na perspectiva de hoje, ela tem, entretanto, mais possibilidade de se reeleger do que de perder a eleição.

Além das virtudes pessoais, carrega com o cargo os vícios de regras eleitorais que favorecem a quem está no poder. Exemplo: a presidenta, pela atração dos partidos pelo poder, terá um tempo de 13 minutos no rádio e na tevê. Aécio Neves terá pouco mais de 3 minutos e Eduardo Campos, em torno de 2 minutos.

É bom lembrar que a reeleição no Brasil foi inventada no governo FHC, para evitar a chegada de Lula ao poder. Retardou, mas não evitou.