Você está aqui: Página Inicial / Revista / Aguenta firme / Podres de ricos
Número 775,

Cultura

Cinema

Podres de ricos

por Orlando Margarido — publicado 15/11/2013 06h56
Blue Jasmine, novo filme de Woody Allen, trata da queda da nova fortuna feita de especulação e falcatruas de um casal de Nova York
Divulgação
blanchett e baldwin

Blanchett e Baldwin, especulação, falcatruas e ostentação

Blue Jasmine / Woody Allen

Há algo nos trejeitos, e logo saberemos na insanidade, que aproxima a protagonista de Blue Jasmine, novo filme de Woody Allen em cartaz a partir da sexta 15, da notável Norma Desmond de Crepúsculo dos Deuses. Mas, se no clássico de Billy Wilder o declínio diz respeito ao estrelato em uma antiga Hollywood em ruína, nesses tempos atuais cabe melhor a queda da nova fortuna feita de especulação e falcatruas.

Desse contexto tão corruptor quanto o outro Allen colhe sua Jasmine (Cate Blanchett), nome também fraudulento, apanhada num torvelinho quando o marido milionário (Alec Baldwin) é descoberto em seus golpes. Preso, se mata, destino recente de magnatas instantâneos de Manhattan. Mas há mais a ser revelado dos podres de ricos, como as traições amorosas do especulador e sua decisão de trocar a mulher pela babá. Jasmine tentará superar os traumas com uma irmã dita fracassada, com ansiolíticos e empregos ordinários, hábil que era até então apenas em gastar e ostentar

Não é somente o abandono de uma estrutura repisada de crises e desencontros românticos que faz Allen surgir renovado. Também por rir do mundo que o cerca, e muito do seu, num tom cínico e amargo exemplar na cena final. Esta chega inesperada e só possível por contar com uma Cate Blanchett na plenitude e em desvario tão intenso quanto a Gloria Swanson de Wilder.