Você está aqui: Página Inicial / Revista / Como se constrói uma celebridade / A insolvência americana
Número 771,

Economia

A insolvência americana

por Delfim Netto publicado 25/10/2013 05h35
Vamos ter de caminhar para uma solução mais razoável, em torno deuma moeda internacional, como previa Keynes,que a partir de Bretton Woods insistiu nesse ponto

No horário brasileiro passava de 22 horas da quarta-feira 16, quando o presidente da maior potência mundial emitiu um comunicado desde a Casa Branca, em Washington. Começaria a reabrir os pagamentos do governo imediatamente para “permitir o funcionamento normal dos serviços públicos”, tão logo terminasse a votação legislativa na Câmara de Representantes, esperada para a madrugada de quinta-feira. Aprovada no Senado, a lei permitiria “remover a ameaça de insolvência que paira sobre a economia dos Estados Unidos diante do impasse sobre a elevação do teto da dívida”.

Dificilmente se poderia imaginar, mesmo nos instantes mais agudos da crise deflagrada no sistema financeiro global, cinco anos atrás, que a dívida pública americana seria classificada um dia como um “ativo em default”, quer dizer, um tremendo calote nos detentores dos títulos até então mais seguros do mundo. Antes do resultado da votação na Câmara, o presidente Barack Obama já arriscava um comentário calçado no acordo firmado entre democratas e republicanos que possibilitou a aprovação no Senado “da lei que desanuvia a incerteza e a intranquilidade sobre os negócios e a população americana”.

A economia mundial gira em torno da economia dos EUA, onde o mercado financeiro se tornou tão importante que os produtores de bens e serviços aguardam para ver em que direção ela caminha. O fato é que o dólar continua a condicionar a economia mundial, apesar de um sistema que dá poderes exagerados a um grande devedor como os Estados Unidos não poder funcionar. Vamos ter de caminhar para uma solução mais razoável, com as economias em busca de se organizar em torno de uma moeda internacional, como previa Keynes, que insistiu nisso desde Bretton Woods, no meio do século passado. Ele foi vencido, mas cada vez fica mais claro não ser possível deixar a moeda internacional nas mãos de um poder soberano.

Ao mesmo tempo a disfuncionalidade que atingiu o sistema político americano é um fenômeno assustador: os republicanos são prisioneiros de uma minoria extravagante, os integrantes do tal Tea Party e seu comportamento é absolutamente irracional. Em uma situação delicada, Obama conseguiu colocar os republicanos num corner ao fingir não se importar ou mostrar que deixaria a situação piorar até as últimas consequências, na crença de isso produzir tal desastre no Partido Republicano, pelo menos a curto prazo, que eles teriam de recuar, como aconteceu.

Aproveitando-se da irracionalidade dominante no partido opositor, Obama se prepara para reconstruir uma maioria democrata, contando que sejam retomados os debates sobre a reforma do sistema de imigração e os trabalhos para apressar a votação da Farm Bill, a lei agrícola americana, normalmente sem nenhuma boa promessa para o restante do mundo. Ele está com o discurso pronto, a exortar o Congresso a se debruçar “sobre os problemas mais amplos, como as mudanças no sistema fiscal americano, para evitar que o país continue a oscilar de crise em crise, sem deixar para a última hora (7 de fevereiro de 2014) a aprovação do próximo acordo sobre o teto do endividamento”.

Recentemente, Barack Obama deu uma prévia sobre a correção de rumos na política econômica, ao manobrar com alguma sutileza na substituição de Ben Bernanke na presidência do banco central americano, o Fed. A indicação da economista Janet Yellen, notória defensora da prioridade do combate ao desemprego e dos estímulos à recuperação da atividade econômica, serviu de importante sinalização ao mercado, que não deve sonhar com o retorno aos “bons tempos” da desregulação.

Ao assistir impassível à “fritura” do candidato preferido do sistema financeiro, Lawrence Summers, um típico representante dos defensores da liberação dos mercados financeiros, o presidente americano deixou livre o caminho para a ascensão de Yellen, na vice-presidência do Fed desde 2010 e com forte influência na recente decisão de manter o afrouxamento monetário até que o nível do emprego comece a reagir de forma consistente.