Você está aqui: Página Inicial / Revista / Eike desmancha: o que sobra do império X / A volta do morto-vivo
Número 769,

Política

Opinião

A volta do morto-vivo

por Mauricio Dias publicado 05/10/2013 06h03, última modificação 05/10/2013 11h40
Aécio renuncia à pré-candidatura. Por Mauricio Dias
Jose Cruz/ABr
Aécio Neves

Embate entre Aécio Neves e José Serra não está definido

Aparentemente, a disputa presidencial voltará ao embate já corriqueiro entre o PT e o PSDB. Tem sido assim ao longo dos últimos 20 anos. Ou seja, cinco eleições presidenciais. Pode haver uma variação no sexto confronto, em 2014, se o tucano mineiro Aécio Neves for candidato. Os paulistas estiveram presentes em todas as seis disputas pela cadeira do Planalto, em eleição direta, após a ditadura.

Ele, no entanto, não é mais uma aposta certa dos tucanos. Tímido como pré-candidato, ele cedeu à pressão do forte reduto tucano de São Paulo. Alguém diria que as costas de Aécio, com tantos alfinetes espetados, lembram almofada de alfaiate.

Assim, de repente, embora não surpreendentemente, o cenário da disputa presidencial no tucanato passou a indicar a possibilidade de uma virada. Isso está prenunciado na nota oficial distribuída na terça-feira 1º de outubro pelo próprio Aécio Neves. Na condição de presidente do PSDB, anunciou e cobriu de louvores a permanência de José Serra no ninho.

“A presença de Serra em nossas fileiras fornece a nós, tucanos (...), uma opção de grande dimensão política a ser avaliada no momento e segundo critérios adequados para o sucesso da luta comum.”

Em outras palavras, ainda não há candidatura definida no PSDB.

Agora se entende melhor a indefinição de Aécio. Embora oficiosamente sagrado pré-candidato, não assumia inteiramente o papel. Dessa forma, tornou-se um alvo fácil, mesmo tendo sido dado a ele, pelo partido, o papel de estrela única do programa de televisão. Já há reações sensíveis no PSDB, onde Serra era considerado, equivocadamente, um morto-vivo. Não existe, porém, morte política.

Por que Aécio renunciou à condição de pré-candidato e jogou para março de 2014 o anúncio da candidatura oficial do partido? Assim queriam os serristas. Terão, então, seis meses para religar fios internos e melhorar a posição junto aos diretórios estaduais.  
A presença do paulista Serra força a realização das prévias, com as quais Aécio se comprometeu talvez apenas como um gesto diplomático. Não por acaso, o senador “serrista” Aloysio Nunes Ferreira lembrou no mesmo dia que o PSDB reabriu as portas ao grupo: “Em nenhum momento foi descartado que haverá prévias”.

A certeza em Aécio era tanta que alguns institutos (Datafolha e Ibope) já haviam decidido excluir Serra da lista das pesquisas. Tinhoso, ele assumiu pessoalmente a tarefa de se manter na lista de pré-candidatos.

Essas sondagens podem ter influência na persistência de Serra. Elas indicam a dificuldade de Aécio de escalar o patamar das intenções de voto. Os dois vivem em empate técnico, com o paulista em ligeira vantagem.

Como afastar Serra da disputa entre os tucanos, se ele mantiver a preferência do eleitorado, sinalizado nas intenções de voto registradas nas pesquisas?

Há quem conte com a rejeição do eleitor por ele. Nesse sentido é o único pré-candidato que destoa muito da curiosa situação de empate entre os candidatos.

Rejeição, no entanto, é construção cultural. Um preconceito que, como qualquer outro, pode ser desconstruído. Aécio, porém, não pode contar só com essa rudimentar teoria.  Agora, com Serra ao lado, será forçado a dormir de olhos abertos.

registrado em: ,