Você está aqui: Página Inicial / Revista / Ruim para todos / PT, penitencie-se
Número 762,

Política

Editorial

PT, penitencie-se

por Mino Carta publicado 16/08/2013 08h55, última modificação 16/08/2013 11h03
À vista das eleições internas do partido, recomenda-se um corajoso exame de consciência
Lula

Lula e os trabalhadores: só ele mesmo para pôr ordem na casa

Ouvi de Lula, não faz muito tempo, a seguinte observação a respeito do Partido Comunista Italiano e da longa metamorfose pela qual passou nas últimas duas décadas: “Eis um partidaço que se perdeu pelo caminho”. Não deixei de concordar. O ex-presidente nunca foi comunista, mas reconhecia, illo tempore, a importância e a qualidade do PCI, onde contava com grandes amigos.

O partidão italiano, nascido em 1921 na secessão do Partido Socialista, carregava na queda do fascismo a extraordinária herança de Antonio Gramsci e, em plena democracia, contou com lideranças notáveis, de Palmiro Togliatti a Enrico Berlinguer. Dele brotou o chamado eurocomunismo, capaz de abjurar os dogmas do marxismo-leninismo e de se afastar de vez da URSS stalinista.

Nas eleições italianas de 1976, os comunistas obtiveram 34% dos votos contra 36% dos democrata-cristãos, enquanto se fortalecia a ideia do chamado compromesso storico entre os dois maiores partidos, conduzida por Enrico Berlinguer pelo PCI e por Aldo Moro pela DC. O projeto morreu juntamente com Moro, assassinado pelas Brigadas Vermelhas infiltradas pela CIA, para gáudio da direita, na qual se notabilizaram Giulio Andreotti e Francesco Cossiga, cujas responsabilidades pelo assassínio do companheiro de DC a cada dia se definem com maior clareza.

Após a derrubada do Muro e, mais ainda, da Operação Mãos Limpas, da qual os comunistas saíram limpidamente ilesos enquanto ruía a Primeira República da Itália, o partido escorregou para uma fase de perplexidade e confusão. Mudou mais de uma vez de nome, de símbolos e de bandeiras. Perdeu ímpeto e determinação, depois de ter contribuído de forma decisiva para a transformação da Península de país em escombros derrotado pela Segunda Guerra Mundial em um dos mais ricos do mundo. Um paraíso terrestre para a classe operária. Os trabalhadores.

Não sei se Lula pensava no seu PT ao falar do PCI, embora possa haver alguma semelhança entre os dois, ao menos nos propósitos iniciais. Há uma diferença importante: os comunistas chegaram ao poder quando comunistas já não eram e ali ficaram por seis anos em duas etapas, juntamente com a esquerda democrata-cristã. Foi tardia e insatisfatória versão do compromesso. Os petistas não, e estão no poder desde 1º de janeiro de 2003. A derradeira pesquisa Datafolha diz que Lula em 2014 ganharia no primeiro turno e Dilma no segundo.

Pois é, a diferença reveste-se de notável complexidade. Se o PCI e o PT mudaram não foi pelas mesmas razões. Deu-se que, no poder, o Partido dos Trabalhadores portou-se como todos os demais chamados a movimentar o cenário político nativo, desde sempre clubes recreativos de dignos representantes da chamada elite. Uma exceção, antes do PT, foi o MDB, como frente de oposição, capaz de reunir, sob o comando do doutor Ulysses, todos os resistentes à ditadura, inclusive quantos sonhavam com um partido de esquerda à altura da intenção. Como tal surgiu o PT a partir da reforma partidária planejada por Golbery do Couto e Silva, e assim se manteve, anos adentro, depois do fim da ditadura.

Houve, é verdade, ajustes ideológicos ao longo do caminho, ditados por um salutar pragmatismo e pela adequação às mudanças sofridas pelo mundo. Manteve, porém, correção e coerência, ao passo que o tucanato no governo praticava tramoias e desmandos nunca dantes navegados e provava que o socialismo democrático à brasileira corresponde à pior direita, a mais reacionária.
Lá chegado, o PT de certa forma reeditou o ciscar do pássaro incapaz de voar, embora de maneira mais canhestra, diria primitiva, conforme cabe a quem não dispõe de largas tradições neste campo. Depois de ser governo por mais de dez anos, e na perspectiva do pleito de 2014, o PT prepara suas eleições internas para a renovação dos postos de comando. Não seria a hora de um profundo, desabrido exame de consciência?

registrado em: ,