Você está aqui: Página Inicial / Revista / Black Blocs / O inverno árabe
Número 760, Agosto 2013

Internacional

Contrarrevoluções

O inverno árabe

por Gianni Carta publicado 03/08/2013 09h25, última modificação 06/06/2015 19h23
No Egito e na Tunísia, a repressão às manifestações é o símbolo do retrocesso. Por Gianni Carta
AFP
Egito

Os opositores egípcios são sistematicamente mortos pelo regime militar golpista

As insurreições no Egito e na Tunísia têm no seu âmago o mesmo sentido: legendas secularistas e islamitas moderadas no início da chamada Primavera Árabe. Nos primórdios de 2011 apresentavam-se como moderadas, mas agora revelam suas secretas agendas de reislamização. Esse aspecto não somente revela os cenários no Egito e na Tunísia, mas em vários outros países do Norte da África e do Oriente Médio. No entanto, a situação no Egito, onde centenas de opositores do regime militar são sistematicamente mortos, é muito mais grave do que na Tunísia, onde um compromisso podia ser consolidado no momento em que esta edição era impressa, na quinta-feira 1º de agosto.

A baronesa britânica Ashton, chefe da diplomacia da União Europeia, esteve nesta semana com o deposto presidente egípcio Mohamed Morsi, em detenção após o golpe no dia 3 de julho com centenas de aliados da Irmandade Muçulmana. A baronesa garante: “Ele está com boa saúde, com bom senso de humor”. Mais: “Lê jornais e quer voltar ao poder”. Por sua vez, Laurent Fabius, o ministro francês do Exterior, pede que Morsi e seus aliados sejam libertados. Seria uma questão de democracia.  O problema é o seguinte: o general Abdul Fatah al-Sisi, nomeado por Morsi porque muçulmano praticante, busca um compromisso? Ele acredita em democracia? Não parece. Pede pela participação de opositores de Morsi nas manifestações de rua. Assim cria conflitos mais sangrentos. Vai além: nos últimos dias mandou matar centenas de integrantes da Irmandade Muçulmana, a primeira agremiação eleita pelo sufrágio universal na história do Egito.

Nomeado por Morsi, o general Al-Sisi, gestor da situação e muçulmano praticante, cuja mulher trafega pela capital egípcia a envergar uma burka, parece mais fiel à sua farda. E aos Estados Unidos, onde estudou. O exército egípcio recebe 1,5 bilhão de dólares de Washington desde 1979, quando assinou um acordo à sombra dos tratados de Camp David, com Israel.

O golpe contra Morsi teria sido apoiado pelos EUA? Tudo leva a crer que sim. Morsi, apesar de seu discurso, quis negociar com Al-Sisi e, por tabela, com os americanos. Sem sucesso. Foi deposto. A Arábia Saudita, o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos, entregues a reacionárias monarquias do Golfo Pérsico, apoiaram o golpe com a contribuição de nada menos que 12 bilhões de dólares. Os motivos? Pelo menos três. Querem um regime que se oponha ao Irã e seja partidário dos EUA. Em segundo lugar, a Irmandade Muçulmana não é suficientemente radical para os parâmetros sunitas sauditas. E, finalmente, os sauditas detestam o Catar, outra nebulosa monarquia do Golfo, a festejar jogadores de futebol e Morsi através da rede de tevê com sede em Doha, a Al-Jazira.

O Ocidente, com a conspícua participação de Washington no cenário internacional, e um presidente, Barack Obama, que prefere se manter em uma aparente retaguarda de movimentos no mundo árabe, é uma decepção. No seu segundo mandato, Obama, sem objetivos para reeleição, filho de africano e com raízes islâmicas, é um fiasco em termos de política internacional. E sem uma estratégia clara para o mundo árabe, como diz a CartaCapital o professor de ciências políticas Vali Nasr, reitor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, e ex-colaborador do falecido diplomata Richard Holbrooke, do Departamento de Estado, a respeito de Obama. Nasr acentua: “Não tem uma estratégia para o mundo árabe”.

A lição: não se deve esperar dos EUA, tampouco de um presidente negro com origens islâmicas. Em um programa televisivo da France 24 News nesta semana, o acima assinado teve de ouvir de um colega norte-americano: “É claro que Obama não tem uma agenda. Para quem ele liga no Egito? Todos se odeiam”.

Não foi sempre assim. No fim do ano passado, Obama elogiou Morsi quando este colocou um fim na guerra de oito dias entre Israel e o Hamas, o movimento palestino de Gaza. Agora, no entanto, o presidente americano negocia, ao que tudo indica, com os militares egípcios abastecidos pelo dinheiro de Washington, como Hosni Mubarak, o ditador deposto no início de 2011 e, mesmo assim, apoiado por Washington até o fim. A razão? Como Ben Ali, o ditador tunisiano, Mubarak continha os radicais fundamentalistas nas suas tocaias.

Enquanto isso, Benjamin Netanyahu, o premier israelense, faz o que quer: mais e mais colonizações de Jerusalém Oriental, que, em tese, pertence aos árabes, e mais as inúmeras  colonizações da Cisjordânia. John Kerry, secretário de Estado dos EUA, negocia uma enésima e suposta paz entre os dois territórios. Em vão: como incluir a Autoridade Palestina em conversas com uma coalizão israelense já dividida sem envolver o Hamas, eleito em 2006, para governar Gaza, também território palestino?

Mas o Hamas, como o Hezbollah, partido político com braço armado no Líbano, é considerado grupo terrorista pelos EUA e pela UE. Como conseguir a paz sem negociar com um movimento com braço armado, como foi feito com o Sinn Féin, a legenda política do IRA (Exército Republicano Irlandês) na Irlanda do Norte?

O Egito encontra-se na ribalta do debate porque o exército daquele país mais populoso do mundo árabe, com 85 milhões de habitantes, depôs o primeiro presidente eleito por sufrágio universal. Importante frisar: o primeiro islamita, da Irmandade Muçulmana. Por sua vez, a Tunísia, berço da Primavera Árabe, alcunha oriunda das mentes burocráticas e diplomáticas, e até intelectuais tanto dos EUA quanto da União Europeia, crentes com a costumeira ingenuidade propiciada pelo movimento globalizante, de que aquelas revoluções varreriam os déspotas.

O resultado, pelo menos para mentes ingênuas? Um mundo onde os democratas liberais recém-eleitos, mesmo se de legendas islamitas moderadas, dariam prioridade ao neoliberalismo e, por tabela, o mercado livre prevaleceria. O Oriente Médio, em suma, seria uma espécie de Revolução de Veludo, aquela na Europa do Leste pós-queda do Muro de Berlim, em 1989. Em miúdos, o Egito seria uma espécie de Polônia, país conservador, no sentido ideológico e econômico, que abraçou a democracia com eleições democráticas e um tangível apego ao neoliberalismo. Ademais, o Cairo, como Varsóvia, pelo menos no plano militar, teria, em tese, um apego claro às metas de Tio Sam.

A história não aconteceu como Washington gostaria. Para os americanos, o mundo é demasiado simples. Ou pelo menos é bom simplificar tudo para os cidadãos americanos entenderem o cenário mundial. Washington quer levar alguma vantagem nessas contendas.

No entanto, Wassim Jabeur, ativista tunisiano na direção de um empresa de informática de 28 anos, que acredita na democracia e foi espancado pelas forças de segurança nos atuais conflitos, diz, ao telefone a CartaCapital: “Agora queremos uma verdadeira transição democrática”.  E ainda: “Agora é para valer. Queremos a demissão do atual governo e eleições já”.

Talvez Jabeur se precipite. O Ennahda, a legenda islâmica no poder na Tunísia, faz coalizão, ao contrário da Irmandade Muçulmana, mais antiga agremiação organizada no Islã, com dois partidos laicos de esquerda, o Ettakatol e o Congresso por uma República, partido político do presidente Moncef Marzouki. Os assassinatos de Mohammed Brami, no dia 25, e de Chokri Belaid, em fevereiro, ambos críticos do partido islamita dominante, aceleraram reformas.

Há, não resta dúvida, instabilidade política e econômica na Tunísia. Os dois oposicionistas, dizem observadores, foram mortos por aliados salafistas (leia fundamentalistas) do governo. Mas eleições legislativas e presidenciais estão previstas para o fim de 2013. Enquanto isso, o Egito continua à beira de uma guerra civil.

registrado em: ,