Você está aqui: Página Inicial / Revista / Black Blocs / A estratégia da luz
Número 760, Agosto 2013

Cultura

Calçada da memória

A estratégia da luz

por José Geraldo Couto — publicado 20/08/2013 12h21
Vittorio Storaro, um dos mais influentes diretores de fotografia de nossa época, é dono de um estilo deslumbrante e já trabalhou com diretores como Francis Coppola, Carlos Saura e Warren Beatty
AFP
Vittorio Storaro

Vittorio Storaro. Estilo deslumbrante vencedor de três Oscar

Escrevemos histórias com luz e sombra, movimento e cor. É uma linguagem com seu próprio vocabulário e possibilidades ilimitadas para expressar nossos pensamentos e sentimentos.” Quem diz isso, com absoluto conhecimento de causa, é Vittorio Storaro, 73 anos, um dos mais influentes diretores de fotografia de nossa época.Nascido em Roma, filho de um projecionista, Storaro estudou fotografia num colégio técnico antes de ingressar no Centro Sperimentale di Cinematografia. À parte isso, passou anos estudando em museus e galerias a arte medieval, renascentista e moderna.

No cinema, começou como assistente de câmera aos 20 anos, aos 22 passou a diretor de fotografia e aos 29 conquistou seu primeiro Nastro d’Argento, o prêmio da crítica italiana, por Giovinezza, Giovinezza (Franco Rossi). Com A Estratégia da Aranha (1970) começou a fecunda parceria com Bernardo Bertolucci que lhe daria notoriedade mundial.

Outros diretores com quem trabalhou várias vezes são Francis Coppola, Carlos Saura e Warren Beatty. Dono de um estilo deslumbrante, baseado na “resposta emocional do espectador às cores”, ganhou três Oscar: por Apocalypse Now, Reds e O Último Imperador. Criou junto à Rosco International uma paleta de filtros coloridos, a “Storaro Selection”, hoje disponível a todos os fotógrafos.

DVDs

O Fundo do Coração (1982)

Em Las Vegas, um mecânico (Frederic Forrest) e uma agente de viagens (Teri Garr), casal em crise, buscam novos parceiros (Nastassja Kinski e Raul Julia) num feriado. A metafísica do amor numa fantasia exuberante de Coppola, em que a iluminação
e as cores criam um espaço pulsante que expressa o interior dos personagens.

O Último Imperador (1987)

O épico de Bertolucci sobre o imperador Pu Yi (John Lone) cobre várias décadas da conturbada história da China, da monarquia à Revolução Cultural de Mao, ao mesmo tempo que traça a trajetória íntima do protagonista. Ganhou nove Oscar, entre eles o de fotografia, espetacular, sobretudo nas cenas na Cidade Proibida.

Dick Tracy (1990)

Se em O Último Imperador predominavam a profundidade e as nuances, em Dick Tracy, de e com Warren Beatty, a tentativa de Storaro foi de mimetizar a bidimensionalidade dos quadrinhos e explorar os fortes contrastes de cor. O elenco (Dustin Hoffman, Madonna, Al Pacino) e a maquiagem antirrealista completam a diversão.