Você está aqui: Página Inicial / Revista / O Rio esquecido / Sob fogo cerrado
Número 752, Junho 2013

Tecnologia

Tecnologia

Sob fogo cerrado

por Felipe Marra Mendonça publicado 07/06/2013 14h34, última modificação 07/06/2013 14h49
Para o governo turco, o Twitter é caso de polícia. Por Felipe Marra Mendonça
AFP
tecnologia

"As mídias sociais são a pior ameaça", diz o presidente Erdogan

"Existe, atualmente, uma ameaça chamada Twitter. Os melhores exemplos de mentiras encontram-se por lá. Para mim, as mídias sociais são a pior ameaça à sociedade.” Essas foram as palavras do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan logo após o início da violenta repressão contra os protestos pela manutenção do Parque Gezi, uma das poucas áreas verdes de Istambul, e contra a demolição de um quartel para a construção de torres residenciais e um shopping center nas adjacências.

As palavras duras de Erdogan revelavam toda a sua frustração em não conseguir manter o controle das informações na internet, usada pelos manifestantes para se conectar ao mundo, relatar o que acontece no país e se comunicar na tentativa de evadir as tropas do governo.

Um texto colocado no Facebook pela jornalista turca Asli Arduman é sintomático do quanto as redes são importantes para os manifestantes. “Precisamos da sua ajuda. Os turcos estão protestando pelos seus direitos fundamentais. São milhares nas ruas de diferentes cidades turcas, pessoas submetidas à força bruta e contínua da polícia. A mídia local está em um silêncio ridículo. A polícia tenta nos matar, enquanto os canais de tevê mostram novelas e documentários sobre pinguins”, escreveu Arduman.

As ferramentas usadas pelos manifestantes são variadas. Além do Twitter, tão temido por Erdogan, o Ustream é utilizado para fazer transmissões de vídeo ao vivo das praças turcas. O Zello, uma espécie de walkie-talkie online, é usado para burlar eventuais escutas das ligações telefônicas. Para comunicações com o mundo exterior, os usuários turcos têm feito uso de redes privadas virtuais (VPNs), como as providenciadas gratuitamente com o aplicativo Hotspot Shield, da americana Anchor Free.

“O interessante aqui é que milhares de pessoas baixaram o Hotspot Shield e outros aplicativos de comunicação na expectativa de mais censura. Isso mostra o quanto a tecnologia de aplicativos móveis e a evolução da internet ajudam a frustrar tentativas de limitar as liberdades e os direitos democráticos”, afirmou David Gorodyansky, fundador e presidente da Anchor Free .