Você está aqui: Página Inicial / Política / Vencendo ou perdendo, PT seguirá influente

Política

Opinião

Vencendo ou perdendo, PT seguirá influente

por Deutsche Welle publicado 06/10/2014 16h56, última modificação 06/10/2014 17h20
O resultado do primeiro turno deixa a reeleição de Dilma em aberto. Mas, mesmo que o PT vá para a oposição, continuará sendo a principal força política
Cadu Gomes / Divulgação
Dilma Rousseff e Michel Temer

Dilma Rousseff e Michel Temer durante entrevista coletiva após o primeiro turno, no domingo 5, em Brasília

Por Astrid Prange

Meus cumprimentos! Não é só a televisão brasileira que consegue prender o público diante da telinha com suas emocionantes novelas – os representantes políticos também sabem oferecer uma encenação altamente dramática nas suas campanhas eleitorais.

Nos últimos três meses, a disputa parecia um passeio de montanha-russa. Os resultados do primeiro turno jogaram no lixo todas as pesquisas. O esperado duelo de damas entre a presidente Dilma Rousseff e sua rival Marina Silva não ocorrerá. Em vez disso, o social-democrata Aécio Neves, dado como politicamente morto pelos institutos de pesquisa, festeja sua ressurreição política.

A nova configuração colocou os prognósticos de volta à estaca zero. Agora tudo é possível, tanto a reeleição de Dilma como a vitória de Aécio. Só uma coisa é certa: o PT continuará tendo uma grande influência política – mesmo que a maioria dos eleitores vote contra a presidente Dilma Rousseff em 26 de outubro.

As diferenças entre os dois candidatos são menores do que os estrategistas políticos deles gostam de admitir. Os programas sociais do PT já se tornaram uma espécie de vaca sagrada brasileira. Desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou no Palácio do Planalto, em janeiro de 2003, eles ajudaram a tirar da pobreza cerca de 35 milhões de brasileiros, elevando essas pessoas ao status de uma classe média baixa com vontade e poder de consumo.

Por isso, Aécio já anunciou que quer continuar e "melhorar" esses programas. Dentro do PSDB, mais liberal do ponto de vista político-econômico do que o PT, muitos consideram os programas sociais até mesmo uma propriedade intelectual do partido, argumentando que essas reformas já eram implementadas, em certo grau, nos governos de Fernando Henrique Cardoso (1994-2002).

Não só os programas sociais continuarão a fazer parte da política brasileira. Também nas áreas de educação, saúde e política externa não são esperadas grandes mudanças. As maiores mudanças, no caso de uma vitória de Aécio, seriam na política econômica, mas também aqui não deverá haver reformas abruptas.

Uma razão para essa continuidade política é a presença avassaladora do PT em instituições públicas. Pois o Partido dos Trabalhadores, fundado em 1980 ainda durante a ditadura militar, ocupa, através de seus adeptos, posições chaves em empresas estatais, bancos públicos e no aparelho de Estado. Com 70 deputados federais e três governadores eleitos já no primeiro turno, a legenda continua sendo a força política mais forte no Brasil.

Mesmo que o PT vá para a oposição, ninguém pode ignorá-lo. Se Dilma não for reeleita em 26 de outubro, o novo presidente terá que cooperar com o PT se quiser aprovar uma lei no Congresso ou implementar reformas a nível nacional. E, se Dilma Rousseff vencer, a supremacia petista vai continuar crescendo.

Logo DW