Você está aqui: Página Inicial / Política / Um grupo, não um ideal

Política

Manifestação

Um grupo, não um ideal

por Clara Roman — publicado 07/09/2011 18h43, última modificação 08/09/2011 10h17
Novatos e militantes se unem contra a corrupção em SP com discursos confusos, mas que servem como recado aos governantes

Era a estreia da estilista Giovana Dias, de 41 anos, em uma manifestação de rua. Uma estreia com estilo: não foi por uma causa qualquer, mas contra a corrupção que, dizem por aí, corrói os bons hábitos nacionais. Como parte do coro dos indignados, ela estacionou numa área próxima da concentração e seguiu os manifestantes a pé.

A marcha, contou ao fim do passeio, foi “emocionante”. Aliás, pontuou ela, será “a primeira de váááááááááááááááááárias" que ainda vai participar.

“Eu sinto a emoção de ser cidadã, a energia”, diz Giovanna, antes de tentar explicar que a corrupção, essa coisa que deixa tanta gente indignada, é tipo “uma bola de neve”. E o protesto, explica a estilista, fará com que os políticos acordem. Quando questionada sobre quais propostas poderiam fazer os políticos, e o País, despertarem, ela responde “Ter leis, é tanta coisa”, diz, sem especificar, a estilista, que nas últimas eleições votou em José Serra, um político, segundo ela, de boa conduta.

Sua amiga Tânia Berni, que a acompanhava, era mais radical: “Comemorei a morte do Itamar Franco e do Alencar. Ele não morria nunca! Não vejo a hora do Sarney morrer”, disse ela, que, apesar de protestar contra a corrupção no Brasil, mora em Bolonha, na Itália. “Aqui é o paraíso. Que país do futuro é esse? O país do futuro não pode protestar. A Europa sim, é decadente, pode protestar”, afirma a publicitária.

Graças a rebeldes como Giovana e Tânia, a manifestação contra a corrupção deu novas cores ao passeio no feriado pela avenida Paulista neste 7 de setembro, Dia da Independência. O protesto, que reuniu cerca de 3 mil pessoas no cartão-postal paulistano, foi organizado por diversos grupos e reuniu as mais variadas causas. A principal, claro, o específico combate geral contra a corrupção política.

Em sintonia com movimentos organizados em outros locais do país, o protesto reuniu manifestantes de todos os tipos, das indignações mais específicas (pela PEC 300, que cria um piso salarial para policiais, contra o projeto da Nova Luz e até contra desapropriações no Jabaquara) até as mais generalistas. Às 9h, o primeiro grupo já se reunia no vão livre do Masp, onde se concentravam os “Caras Pintadas”, em referência ao movimento que participou do processo de impeachment de Fernando Collor em 1992. Em seu ápice, reuniram 800 pessoas.

Por falta de autorização da CET, a caminhada pela avenida teve que ser interrompida. O que não frustrou os organizadores. “O que eu queria, consegui”, disse Felipe Mello, um dos organizadores. “Foi um pontapé inicial”, afirma ele, deixando claro que era organizador, e não "liderança". Isso porque o movimento não tem líderes e é apartidário, disperso em várias frentes, conforme definiu. “Tem que espalhar, não tem que concentrar”.

“A manifestação não tem definição política, não tem um partido que seja acima do bem e do mal. É contra a corrupção”, afirma Saulo Resende, 28 anos.

Sarney, Jaqueline Roriz, Ficha Limpa são os nomes que circulam entre as frases de protesto. À primeira vista, não há causas a serem abraçadas, como fizeram os espanhóis em 15 de maio, na Porta do Sol, em Madri, quando se reuniram em protesto contra as medidas de austeridade do governo José Luis Zapatero - e o desemprego e as condições de trabalho da juventude. Na Paulista, a principal meta era criar uma "cultura da manifestação", um modo apolítico de se fazer política.

Além do “Caras Pintadas”, outros grupos se organizaram pela internet para marchar contra a corrupção no Dia da Independência. O Anonymous, por exemplo, marcou sua marcha para as 14h. Antes disso, anônimos cobertos pela máscara do personagem do filme “V de Vingança” se uniam aos pintados para a rodada vespertina de protestos. O grupo tornou-se famoso depois que hackers ligados a eles atacaram sites do governo há alguns meses.

“É importante não falarmos groselha para a mídia”, afirmou um dos mascarados durante uma breve reunião para definir a atuação. As máscaras servem justamente para a anulação das identidades. Cansados dos protestos apenas via internet, o Anonymous resolveu partir para a rua. Participaram do manifesto contra a usina hidrelétrica de Belo Monte em julho. Mas é a primeira vez que encabeçam um protesto dessa abrangência. Dois amigos-anônimos de 15 anos contam que não sabem exatamente o que o movimento trará de mudanças. Mas que a influência grega e de outros países onde mobilizações começaram a surgir, como Espanha e Egito, fez com que eles próprios pensassem em uma atuação política. “A causa é contra corrupção. As pessoas são conformadas”, afirmam.

No megafone, as mais variadas falas. Um professor reivindicando mais verbas para a educação alternava-se com o clássico “O povo unido jamais será vencido”. Em meio à multidão, alguns militantes do PSDB infiltrados geraram polêmica. Isso porque o apartidarimo é um dos pilares de toda a movimentação. Ao iniciar a panfletagem, os tucanos causaram uma indignação geral que poderia ter acabado em violência se não tivessem ido embora rapidamente.  Fernando Delpozzo, do movimento “Dia do Basta” que compõe o mosaico de grupos, afirmou que nenhum partido se infiltraria enquanto ele estivesse lá. Mesmo depois de rechaçados, a assessoria de imprensa do partido divulgou nota anunciando que sua juventude estava mobilizada contra a corrupção, mas lá na zona norte de cidade.

Inseridos no caldo de protestos que ocuparam a Paulista, alguns militantes “veteranos” de protestos de rua também se juntavam aos estreantes. A união era expressa nos mais variados dizeres em faixas e até mesmo estilos – anarcopunks, peruas, crianças, adolescentes, nerds, idosos e ciclistas. Todos expressavam algum tipo de indignação generalizada, um mal estar ainda não canalizado em propostas concretas.

No feriado, foi uma alternativa de programação. Rebeca Ribeiro, por exemplo, veio almoçar na região com seu pai e acabou aderindo à marcha. “Já tínhamos visto antes no Facebook”, diz. A família acredita que a mobilização em massa gerará o combate às práticas ilegais na política. E Maisa Alves trouxe sua amiga recém-chegada da Colômbia para participar do manifesto. “Na Colômbia, as pessoas são mais violentas. Aqui todo mundo é pacífico”, comenta a colombiana Yerly Camacho.

No emaranhado de visões, a marcha talvez sinalize que esta talvez seja a tendência da mobilização popular a partir de agora: sem lideranças formais, sem interferência de partidos e entidades sindicais, mas com causas indefinidas e um apanhado ideias de todo tipo e um repúdio geral às formas tradicionais de representação. Pode ser confuso. Mas não deixa de ser um recado aos mandatários da nação.

registrado em: