Você está aqui: Página Inicial / Política / Ricardo Teixeira é acusado de negociar votos em eleição de países-sede da Copa

Política

Futebol

Ricardo Teixeira é acusado de negociar votos em eleição de países-sede da Copa

por Redação Carta Capital — publicado 10/05/2011 12h39, última modificação 10/05/2011 18h01
Ao depor ao Parlamento britânico, o ex-dirigente inglês David Triesman acusou o chefe da CBF de pedir favores em troca de apoio à candidatura inglesa para a Copa de 2018

David Triesman, ex-presidente da Associação Inglesa de Futebol, acusou integrantes do comitê executivo da Fifa, entre eles o chefe da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, de pedir favores em troca de votos para a candidatura da Inglaterra como sede da Copa do Mundo de 2018, informou a agência de notícias Reuters.

Ao depor nesta terça-feira 10 para uma comissão do Parlamento britânico, Triesman afirmou que as eleições estavam viciadas desde o início. Segundo o ex-dirigente inglês, Teixeira lhe perguntou: "O que você pode fazer por mim?", enquanto Jack Warner, de Trinidad e Tobago, pediu 4 milhões de dólares para a construção de uma escola, o paraguaio Nicolás Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, pediu ser laureado como um sir, e o tailandês Worawi Makudi exigiu os direitos de televisão de um futuro amistoso entre Tailândia e Inglaterra.

Joseph Blatter, presidente da Fifa, tratou de desmerecer as acusações. "Fiquei chocado, mas ninguém viu as evidências", afirmou durante uma coletiva de imprensa em Zurique. "Precisamos de tempo para digerir isso e começar a investigação pedindo que as evidências do que foi dito sejam entregues."

Antecedentes
Não é a primeira vez que Teixeira é acusado de negociar votos. Um programa da BBC levado ao ar em novembro, a três dias da escolha das sedes da Copa de 2018 e 2022, acusou os três executivos da Fifa, inclusive Ricardo Teixeira, de terem aceitado subornos para favorecer candidaturas de países-sede.

De acordo com o programa "Panorama", Teixeira também recebeu suborno da ISL, que comandava o marketing do futebol mundial e faliu em 2001. O brasileiro teria recebido propina para votar a favor do contrato com a empresa, acusou a BBC.

Teixeira nega as acusações, mas suspeitas semelhantes já haviam sido levantadas num livro de autoria do apresentador do programa, o repórter investigativo britânico Andrew Jennings. para ler entrevista publicada na edição 602 de CartaCapital, em junho de 2010, na qual Jennings fala dos escândalos da Fifa e a participação de Ricardo Teixeira.

A britânica BBC vincula o presidente da CBF à milionária rede de corrupção

Jennings diz que os brasileiros estão sendo mais críticos do que os sul-africanos

A nebulosa ascensão do poderoso secretário-geral Jérôme Valcke, que causou prejuízo milionário à Fifa e está cotado para suceder Blatter, de quem sabe muito

Segundo o periódico Tages-Anzeiger, Teixeira teria recebido até 9,5 milhões de reais de empresa envolvida em esquema de pagamento de propinas para contratos de direitos televisivos

Os interesses da Fifa e de Ricardo Teixeira não são necessariamente os mesmos do País

registrado em: