Você está aqui: Página Inicial / Política / Revelações de ex-alunas de Monica Serra reacendem polêmica do aborto

Política

Eleições

Revelações de ex-alunas de Monica Serra reacendem polêmica do aborto

por Redação Carta Capital — publicado 18/10/2010 15h34, última modificação 18/10/2010 15h37
Mulher do candidato tucano teria abortado no período em que o marido viveu exilado no Chile

Mulher do candidato tucano teria abortado no período em que o marido viveu exilado no Chile. Assessoria do candidato nega

O tema descriminalização do aborto voltou ao centro do debate eleitoral com a informação de que Monica Serra, mulher do candidato a presidência José Serra (PSDB), teria feito um aborto durante o período em que o tucano viveu exilado no Chile. A bailarina e ex-aluna de Monica Serra na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Sheila Canevacci Ribeiro, publicou, um dia após o debate da Rede Bandeirantes, uma mensagem na rede social Facebook em que mostrava indignação pelo posicionamento do candidato em relação ao tema. “Com todo respeito que devo a essa minha professora, gostaria de revelar publicamente que muitas de nossas aulas foram regadas a discussões sobre o seu aborto traumático”, escreveu Sheila.

Procurada pela Folha de S.Paulo, a bailarina manteve o relato. “Não sou uma pessoa denunciando coisas, mas (ela é) uma pessoa pública, que fala em público que é contra o aborto, é errado. Ela tem responsabilidade ética”, disse Sheila ao jornal. O posicionamento da mulher de José Serra sobre o aborto foi amplamente debatido após um comício no Rio de Janeiro, há um mês, em que ela teria dito a um evangélico que Dilma Rousseff (PT) é “a favor de matar criancinhas”, de acordo com o publicado pela Agência Estado.

O mesmo jornal fez contato com outra aluna de Monica Serra, que, sob condição de anonimato, confirmou o revelado por Sheila. Segundo a aluna, nas aulas de psicologia ministradas por Monica Serra, em 1992, as pessoas sentavam-se em círculos e compartilhavam suas histórias. Foi numa dessas situações em que ela  teria dito que realizou um aborto durante o exílio de José Serra no Chile. Após o golpe de Augusto Pinochet, em 1973, o casal mudou-se para os Estados Unidos.

Assessoria do PSDB nega aborto
Em um primeiro momento, Monica Serra não respondeu as tentativas de contato feitas pela Folha de S.Paulo. No dia 16 de outubro, entretanto, uma nota da assessoria do PSDB negou que a psicóloga tenha se submetido a um aborto. Diz a nota: “Diante de matéria publicada hoje (dia 15), a campanha de José Serra esclarece: Monica Serra nunca fez um aborto”. A campanha ainda compara essa informação ao ocorrido na corrida presidencial de 1989, quando uma ex-namorada de Luiz Inácio Lula da Silva acusou o então candidato de ter oferecido dinheiro para que ela abortasse de uma filha, Lurian. Por último, a nota defende que a acusação faz parte de “um jogo sujo” promovido pela campanha petista, marcada, segundo o divulgado, por ataques a filha de José Serra e a seu genro.

registrado em: