Você está aqui: Página Inicial / Política / PT e Dilma enfrentam novos protestos neste domingo

Política

Protesto

PT e Dilma enfrentam novos protestos neste domingo

por Redação — publicado 16/08/2015 08h21
Ao contrário dos atos anteriores, o deste domingo não coincide com pressão elevada do sistema político sobre o governo
Rodrigo Lôbo / Fotos Públicas
Protesto contra Dilma

Ato contra Dilma em 15 de março

Manifestantes vão às ruas de diversas cidades do País neste domingo 16 no terceiro dias de protestos no ano contra a presidenta Dilma Rousseff e o PT. Ao contrário de 15 de março e 12 de abril, os atos não coincidem com a elevação da pressão do sistema político contra Dilma. Em inserções na televisão, o PSDB se uniu a movimentos que pedem derrubada de Dilma, mas durante a semana ganhou força a tese da conciliação, simbolizada pela Agenda Brasil, lançada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e bem recebida pelo Planalto.

O lançamento da Agenda Brasil coincide com o vazamento de notícias segundo as quais Calheiros não deve ser denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no âmbito da Operação Lava Jato. Segundo relatos publicados por jornais, os investigadores não teriam encontrado subsídios para embasar uma denúncia contra o senador alagoano.

A situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PDMB-RJ), é diversa. Cunha, acusado, entre outras coisas, de pedir propina de US$ 5 milhões, deve ser denunciado por Janot. O deputado fluminense rompeu com o governo e segue insistindo na tese de que há um conluio entre o Planalto e a Procuradoria-Geral da República para enquadrá-lo na Lava Jato. A Agenda Brasil de Renan irritou Cunha, por fortalecer Dilma, alvo de sua ira desde a denúncia contra ele na Lava Jato.

Renan Haas
Renan Haas, do MBL, denuncia o vê como conluio entre Dilma, Janot e Renan Calheiros
A agenda de Eduardo Cunha foi incorporada pelo Movimento Brasil Livre, um dos que organiza as manifestações contra Dilma neste domingo 16. Em vídeo publicado no Facebook na quinta-feira 13, Renan Haas, um dos integrantes do MBL, denunciou o que diz ser um "golpe branco" tramado entre Dilma, Janot e Renan Calheiros. Na postagem que convoca protesto de domingo, para o qual estariam confirmados atos em 114 cidades, os integrantes do MBL afirmam que "já conseguimos derrubar a governabilidade do PT, agora tiraremos essa quadrilha do poder".

O Vem Pra Rua, que anuncia manifestações em 257 municípios, tem Dilma como foco. Em mensagem a seus seguidores, o movimento pede que "Dilma Rousseff pague pelos crimes que cometeu" e diz que o Brasil não deve permitir que "uma criminosa continue presidente". O Vem Pra Rua, entretanto, não apresenta a lista de crimes que atribui à petista.

No lugar disso, o movimento apresenta uma pauta de reclamações, algumas delas coincidentes com as reivindicações de movimentos sociais em geral alinhados ao governo, como o aumento do desemprego, o corte no seguro-desemprego, a redução de salários dos trabalhadores e aumentos nas contas de luz.

Para o Vem Pra Rua, o ato de domingo é para "tirar de cena um governo corrupto de um projeto maior de poder que acabou com as finanças, com a economia, com a ética, e espalhou a corrupção por todos as instâncias em níveis inaceitáveis".

Um terceiro movimento, o Revoltados On Line, pede doações em sua página no Facebook para travar "a guerra entre o bem e o mal" e promete levar bandeiras e estrelas do PT "para serem pisadas", simbolizando o "repúdio" ao Partidos dos Trabalhadores. Em vídeo divulgado pelo Revoltado On Line, o ativista Eron Morais de Melo, o Batman do Leblon, defende o "fim do PT".


DIA 16 O PT VAI SANGRAR ( metaforicamente falando)NÃO SEREM OS INTIMIDADOS POR PT, CUT OU MS. CHEGA! PT NUNCA...

Posted by Revoltados ON LINE on Sexta, 14 de agosto de 2015
registrado em: ,