Você está aqui: Página Inicial / Política / Prefeitura de Cláudio: incêndio não queimou documentos

Política

Minas Gerais

Prefeitura de Cláudio: incêndio não queimou documentos

por Redação — publicado 14/08/2014 16h02, última modificação 14/08/2014 16h16
Fogo atingiu galpão da administração da cidade no interior de Minas Gerais onde Aécio Neves construiu um aeroporto no terreno do seu tio avô
Papiro Online/Reprodução
Incêndio Claudio

Cena do incêndio na prefeitura de Cláudio

Um incêndio atingiu um galpão da prefeitura de Cláudio, interior de Minas Gerais, na segunda-feira 12. Segundo a prefeitura, o fogo começou em um lote vago ao lado de um galpão onde se encontram veículos da prefeitura.

“As chamas chegaram a um cômodo em uma área de 9m² e destruíram algumas sucatas, não mais utilizadas pela Prefeitura (computadores obsoletos e máquina de escrever)”, diz a nota da prefeitura. “Esclareça-se que nenhuma documentação do município sofreu qualquer tipo de dano já que a sala de arquivo faz parte do prédio da administração, a uma distância considerável do local onde o fogo atingiu.”

Na segunda-feira, o G1, site da Rede Globo, noticiou que “as chamas destruíram uma sala onde ficavam arquivos, computadores, materiais de escritório e tecidos.” No dia seguinte, a prefeitura disse que deveria se pronunciar por conta de “informações mentirosas veiculadas por alguns meios de comunicação.” Ainda segundo a prefeitura, o corpo de bombeiros esteve no local, mas o incêndio foi controlado mais cedo por funcionários da prefeitura.

A cidade ganhou atenção no noticiário recente por sediar um aeroporto construído no terreno de um tio avô de Aécio Neves (PSDB), quando este era governador do Estado. A pista foi utilizada várias vezes por Aécio, candidato tucano à Presidência, mesmo sem a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para que o local pudesse funcionar.

Aécio nega que tenha ocorrido qualquer irregularidade na construção do terreno. O tucano argumenta que seu tio avô não foi beneficiado, pois ele questiona na Justiça o valor oferecido pelo governo do Estado para desapropriar a terra.