Você está aqui: Página Inicial / Política / Polícia Federal vai investigar morte da juíza Patrícia Acioli

Política

Crime

Polícia Federal vai investigar morte da juíza Patrícia Acioli

por Redação Carta Capital — publicado 12/08/2011 15h21, última modificação 12/08/2011 17h12
Ordem foi dada pelo Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo; Acioli foi morta com 15 tiros na porta de sua casa em Niteroi (RJ)

Por Priscilla Mazenotti, da Agência Brasil*

A Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro vai investigar o assassinato da juíza da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, Patrícia Acioli. A determinação é do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que atende a pedido do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso.

:

Em nota, o presidente do STF repudia o assassinato da juíza e pede a apuração rápida do crime. “Crimes covardes contra a pessoa de magistrados constituem atentados à independência do Judiciário, ao Estado de direito e à democracia brasileira. A preservação do império da lei em nosso país exige a rápida apuração dos fatos e a punição rigorosa dos responsáveis por este ato de barbárie”, disse na nota.

Patrícia foi morta dentro do carro, na porta de sua casa em Niterói. Homens armados passaram e atiraram várias vezes contra ela.

“A juíza Patrícia Lourival Acioli deixa uma lição de profissionalismo, rigor técnico e dedicação à causa do direito. Que esse exemplo sirva de consolo a seus familiares, a quem encaminho minha solidariedade e sinceras condolências”, conclui a nota divulgada pelo presidente do Supremo hoje.

Juiza é assassinada na porta de casa

A juíza Patrícia Lourival Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, foi assassinada na noite desta quinta-feira 11. Segundo a Polícia Militar, a magistrada estava dentro do carro, na porta de sua casa, quando homens armados passaram e atiraram várias vezes contra ela, em Niterói, no Grande Rio.

A magistrada era responsável por julgar crimes de homicídio em São Gonçalo, segundo município mais populoso do estado do Rio, e conhecida por sua atuação contra a violência cometida por policiais militares da região.

*publicado originalmente pela Agência Brasil

registrado em: