Você está aqui: Página Inicial / Política / Os frágeis argumentos contra o trem de alta velocidade brasileiro

Política

Transporte

Os frágeis argumentos contra o trem de alta velocidade brasileiro

por O Escrevinhador — publicado 17/03/2011 10h11, última modificação 17/03/2011 10h13
À medida que se aproxima a data da licitação do TAV, que ligará o Rio a SP e Campinas, aumenta o tom da polêmica sobre essa obra e respectivo serviço. Por José Augusto Valente

Por José Augusto Valente, da Agência T1

À medida que se aproxima a data da licitação do trem de alta velocidade, ligando o Rio a São Paulo e Campinas, aumenta o tom da polêmica sobre a oportunidade ou não dessa obra e respectivo serviço.

Obras dessa magnitude geram argumentos de todo tipo, de acordo com a visão que a pessoa tenha sobre os problemas existentes e as formas de minimizá-los ou trocar por outros problemas de menor valor.

Na minha opinião, expressa quando estive Secretário de Política Nacional de Transportes (2004-2007) do Ministério dos Transportes, o Trem de Alta Velocidade não tem apenas importância do ponto de vista da logística de passageiros.

Sua importância, também, não tem a ver, exclusivamente, com os benefícios indiretos gerados pela significativa redução de gases esfeito-estufa, bem como da redução da poluição sonora, além da redução de dependência de fontes não-renováveis de combustíveis.

Esses motivos, de difícil avaliação econômica, mas que qualquer pessoa de bom senso enxerga ser significativa, por si só já justificariam a concretização dessa obra e serviço, iniciando um novo paradigma que será corrente nos próximos anos na América do Sul.

Assim, juntem-se todos esses motivos ao fato de que o Brasil, dominando a tecnologia dos trens de alta velocidade, será referência mundial em projeto, construção e manutenção das vias permanentes, como na fabricação de equipamentos para a indústria dos trens de alta velocidade. É disso que se trata e não de uma obra ferroviária, como alguns querem fazer crer.

Os argumentos utilizados para bombardear o projeto do trem de alta velocidade brasileiro são insuficientes para responder aos benefícios estratégicos a serem gerados pela implantação e domínio da tecnologia. Pelo menos, não li até agora opositores do projeto que se dignem a fazer esse debate.

Argumentos do tipo “deveria investir esse dinheiro em outra coisa na área social” ou “em vez de trem de alta velocidade poderia ser um trem comum de 120 km/h de velocidade”ou ainda “deveria investir em metrô” são ingênuos e não dão conta da questão estratégica envolvida.

Além da tecnologia “roda sobre trilho”, que provavelmente será a vencedora da licitação, o Brasil já desenvolve a tecnologia de levitação magnética, no Laboratório de Aplicações de Supercondutores da COPPE/UFRJ.

O protótipo em desenvolvimento, por enquanto, destina-se ao uso urbano, por força do convênio em vigor com a Transrapid alemã, detentora da tecnologia de levitação magnética para a alta velocidade.

Com a implantação do projeto TAV, o Brasil terá todas as condições de avançar e dominar a tecnologia da levitação magnética e terá o domínio da tecnologia roda sobre trilho. Com isso, estará na vanguarda mundial, num momento em que a busca por soluções sustentáveis ambientalmente será uma obsessão para países desenvolvidos e emergentes.

*Matéria publicada originalmente no O Escrevinhador

registrado em: