Você está aqui: Página Inicial / Política / Os avanços do Brasil (para despero das elites)

Política

Sócio Capital

Os avanços do Brasil (para despero das elites)

por Coluna do Leitor — publicado 19/10/2010 12h36, última modificação 19/10/2010 16h37
Os tucanos e seus parceiros do DEM, ou os neoUDN, buscam através de recursos midiáticos manterem-se vivos. Por nosso leitor, Pedro Benedito Maciel Neto.

Os tucanos e seus parceiros do DEM, ou os neoUDN, buscam através de recursos midiáticos manterem-se vivos

Por Pedro Benedito Maciel Neto*

O Brasil começa 2010 com reconhecimento da grande maioria da população brasileira e da comunidade internacional acerca da competência com que o seu governo Lula enfrentou e superou os reflexos da crise econômica mundial iniciada em 2008, uma crise causada pela mesma lógica liberal que tanto ataca o governo Lula.
É verdade que a turbulência da crise ainda ronda inúmeras nações, mas aqui apenas os setores conservadores ignoram a vitória do país comandado por Lula e sua, mas não conseguem negar que o país conseguiu  fechar 2009 com a criação de 1,4 milhão de empregos e a adoção de medidas que possibilitaram o Brasil retomar a trilha do crescimento sustentável e responsável. E mais àqueles que imaginavam que Lula fosse FHC e que buscaria, através de uma emenda constitucional, um terceiro mandato desejo que reflitam sobre cumprimento da constituição e o desprendimento de Lula.

A oposição, sem discurso ou propostas, e por clara motivação político-eleitoral insiste ofuscar a verdade com a criação de factoides, mas a história e a população os julgarão. E às vésperas da campanha presidencial de 2010, o debate tem sido pobre e ainda inoculados de preconceitos que se julgavam superados, como afirmou com inteligência Ricardo Berzoini.

Os tucanos e seus parceiros do DEM, ou os neoUDN, buscam através de recursos midiáticos manterem-se vivos, mas a verdade vence a versão e o povo, enquanto povo é muito melhor que a elite enquanto elite.

O programa Minha Casa, Minha Vida, por exemplo, poderá, em 15 anos, resolver o histórico déficit de moradia do país, gerando emprego, trabalho e renda.

O país deverá chegar a 354 escolas técnicas no final de 2010, quase três vezes mais que o número existente em 2002; foi resultado de decisão estratégica, que já antevia a necessidade de preparação de mão de obra qualificada para o salto de desenvolvimento no país. O Estado foi fortalecido, e o Brasil ganhou força para enfrentar a crise. O salário mínimo teve um aumento real de 46% desde 2003, influenciando a pirâmide salarial. Para o governo, que não é só do PT, é evidente a necessidade de continuar e aprofundar o projeto vitorioso, que deu ao país uma nova feição, com grandes avanços em diferentes setores.

O Brasil passou a ser respeitado no mundo graças ao nosso projeto de desenvolvimento com geração de empregos e distribuição de renda, preservando os interesses nacionais. O país deixou de ser subserviente aos interesses estrangeiros. Passou a ser ouvido sobre os destinos do mundo.
*Pedro Benedito Maciel Neto, 46, advogado e professor universitário; autor de “Reflexões sobre o estudo do Direito”, ed. Komedi, 2007.