Você está aqui: Página Inicial / Política / O papel-higiênico do jornal

Política

Imprensa

O papel-higiênico do jornal

O Globo associa deputados do Psol e PC do B a atos violentos praticados por manifestantes e não ouve o chamado 'outro lado". Jean Wyllys (Psol-RJ) responde
por Jean Wyllys publicado 23/07/2014 20h29, última modificação 24/07/2014 10h10
Fernando Frazão/Agência Brasil
manifestação-pela-liberdade-dos-manifestantes-presos-no-rio

Manifestação pediu a liberdade dos manifestantes presos no Rio

Eu tenho amigos trabalhando em O Globo. Estes sabem que os respeito e sabem que sei distingui-los do jornal em que ralam. Em outras palavras, eles sabem que eu sei separá-los do desejo editorial da empresa e dos interesses de seus patrões (trabalhei anos num jornal de direita e me lembro do quanto nos constrangia as imposições dos donos dos jornais e seus títeres na redação). Logo, meus amigos que trabalham em O Globo não tomarão este comentário como algo pessoal.

Embora o conteúdo de nossa reclamação ao CNJ (em razão da violação dos direitos dos manifestantes a um julgamento justo e a ampla defesa no tempo das garantias jurídicas perpetrada pelo governo do Rio de Janeiro com apoio de um juiz e de um promotor) seja evidente; embora o conteúdo da reclamação, por si só, deixe claro, para qualquer pessoa minimamente inteligente, que nossa intenção não é defender violência nem depredações praticadas por manifestantes, mas, sim, defender os princípios do Estado Democrático de Direito; e embora nós tenhamos publicado em El País e em nossas redes sociais - já que O Globo não abriu qualquer espaço para nos ouvir - uma nota esclarecendo DIDATICAMENTE (como se explica a uma pessoa com problemas de cognição) qual o objetivo de nossa reclamação, o editorial de hoje de O Globo volta a fazer as ilações desonestas que as "reportagens" do Fantástico e dos telejornais da TV Globo já haviam feito, no sentido de nos associar (nós os parlamentares do PSOL mais a deputada federal Jandira Feghali) a atos violentos praticados por manifestantes.

Há duas hipóteses para essa atitude de O Globo. A primeira é a de que o editor (aquele que dá a linha "editorial" à cobertura e assina o texto do editorial propriamente dito) é uma pessoa que sofre de problemas cognitivos e, por isso, não consegue ler e entender mais que fachada de loja. Esta hipótese, eu descarto. A segunda hipótese é a de que O Globo está dando seqüência ao que sabe fazer bem quando quer: tentar destruir reputações de pessoas que contrariam seus interesses, intoxicando seus leitores com deturpações e ilações canhestras e desonestas intelectualmente.

Ora, não estamos esquecidos da pesada e assustadora campanha difamatória empreendida por O Globo contra Marcelo Freixo, buscando associá-lo, de maneira desonesta e forçosa, baseada em disse-me-disse, à morte do cinegrafista Santiago Andrade. Dessa campanha difamatória, que só encontrou paralelo na edição fraudulenta do debate entre Collor e Lula feita pelo Jornal Nacional em 1989, com o intuito de derrubar o candidato petista, dessa campanha, O Globo saiu desmoralizado pela hastag #LigacaoComFreixo.

E não estamos esquecidos do tratamento que O Globo (e os telejornais da TV Globo) deram às manifestações populares de junho do ano passado - criminalizando-as e justificando a desmedida violência da polícia contra elas - antes de tentar tirar proveito político das mesmas contra o governo Dilma.

Há outros exemplos do comportamento anti-ético por parte de O Globo e dos telejornais da Globo, principalmente em ano eleitoral.

Logo, o editorial de O Globo de hoje cumpre seu gasto papel de difamar quem contraria seus interesses, ao, mais uma vez, deturpar o propósito de nossa reclamação ao CNJ e ignorar que o ministro do STF Marco Aurélio de Mello pensa da mesma forma que nós:

"Não devemos esquecer que a prisão preventiva é sempre uma exceção e não uma regra. Não consigo vislumbrar nessas manifestações, criminosos, pessoas perigosas. Há uma crítica ao que se fez que é primeiro prender para ver o que tem errado. Sem considerar o princípio da culpabilidade. Não vejo porque uma ordem de prisão nesse momento antes de instaurar inquérito. Para mim é extravagante."

O Globo também ignorou a nota de respeitados juristas do país, em que estes se posicionam contra a violação do Estado de Direito que as prisões dos manifestantes no Rio de Janeiro - sem o devido processo legal, sem o direito a defesa, sem que provas sejam apresentadas contra os acusados e com abuso de prisões preventivas e temporárias - representam.

Eu construí, nesses quatro anos, um mandato comprometido com a defesa e promoção dos Direitos Humanos e das liberdades individuais. Um mandato respeitado e elogiado inclusive internacionalmente. Conquistei essa posição com trabalho, transparência e coerência, enfrentando, desde o primeiro ano, os ataques e difamações vindos dos fascistas e fundamentalistas religiosos. Sou honesto material e intelectualmente. Esforço-me por resgatar, principalmente junto às novas gerações, o apreço pela política e pelo parlamento.

E aí, vem o jornal O Globo e tenta, ao seu bel-prazer e por entender que minha atuação, nesse caso (atuação coerente com minha atuação em outros casos de violação de Direitos Humanos), contraria os seus interesses, destruir minha reputação, associando-me a uma violência que repudio.

O Globo passa sua vida enchendo suas páginas com reclamações sobre a falta de qualidade dos políticos que representam o povo brasileiro, mas, não pensa duas vezes em tentar destruir alguém que tem as qualidades que ele tanto reivindica.

E são curioso os critérios jornalísticos de O Globo (e dos telejornais da Globo), que ignoram solenemente a tortura e o assassinato de um menor por agentes da polícia do Rio, bem como o "grampo" ilegal da polícia em telefones de advogados, para dar prioridade a manifestantes acusados de crimes que ainda não cometeram. Se este é o "papel de um jornal", só pode ser o papel higiênico.