Você está aqui: Página Inicial / Política / No RS, a lama se aproxima da governadora

Política

Yeda Crusius

No RS, a lama se aproxima da governadora

por Redação Carta Capital — publicado 10/09/2010 15h10, última modificação 10/09/2010 15h32
Entrevista exclusiva: Esquema tocado por sargento da Brigada Militar era de conhecimento de Yeda Crusius, diz ex-ouvidor.

Entrevista exclusiva: Esquema tocado por sargento da Brigada Militar era de conhecimento de Yeda Crusius, diz ex-ouvidor

Em matéria exclusiva da edição de CartaCapital que chega hoje às bancas, nosso repórter Lucas Azevedo, de Porto Alegre, entrevistou Adão Paiani, ex-ouvidor da Secretaria Pública Estadual do governo do Rio Grande do Sul. Ligado ao DEM, aliado do PSDB, ele contradisse na entrevista a governadora Yeda Crusius. Ela havia afirmado desconhecer

o esquema descoberto pelo Ministério Público que aponta que o sargento da Brigada Militar César Rodrigues de Carvalho teria utilizado de forma ilegal do Sistema de Consultas Integradas do estado, que é um banco de dados de diversos órgãos, como o Detran.

 O sargento, sempre a mando de superiores, vasculhava informações sobre políticos, serviores, advogados, partidos e policiais. Um dos alvos foi o candidato do PT ao governo, o ex-ministro Tarso Genro. Yeda Crusius também está na lista dos espionados.

 Paiani afirmou ao nosso repórter que existe uma estrutura criminosa, encoberta por uma “falsa repressão à contravenção, principalmente no que diz respeito a jogos e caça-níqueis”. Disse também que a governadora “sempre teve total conhecimento” destas práticas e que a ação do sargento César era do conhecimento da governadora.

 O ex-ouvidor conta como funcionava o esquema ilegal de coleta de informações e como ele foi instalado no governo de Yeda.

 Leia a íntegra da matéria e da entrevista em CartaCapital 613, já nas bancas.

registrado em: