Você está aqui: Página Inicial / Política / Nelson Barbosa é o favorito de Dilma para a Fazenda

Política

Segundo mandato

Nelson Barbosa é o favorito de Dilma para a Fazenda

por André Barrocal publicado 02/11/2014 11h09
O economista, ex-número dois do ministério, é visto como opção mais viável pela presidenta, que rejeita “solução banqueiro”
Agência Brasil
Nelson Barbosa cotado para ministério

Nelson Barbosa é cotado para Ministério da Fazenda

O economista Nelson Barbosa é o favorito de Dilma Rousseff para ocupar o ministério da Fazenda no próximo governo. Foi com o nome dele na cabeça que a presidenta viajou na última quarta-feira, 29, para a base naval de Aratu, em Salvador, a fim de descansar uns dias da estafante reeleição e de começar a amadurecer ideias para a futura equipe.

A nomeação de Barbosa não é, contudo, um fato consumado. Antes de decidir-se, é provável que Dilma ouça o ex-presidente Lula em algum momento após encerrar seu retiro neste domingo, 2. E ele tem ideias próprias, como a de que seria aconselhável o governo reabrir canais de diálogo com o setor privado, sobretudo o sistema financeiro, indicando um representante empresarial para o cargo.

Dilma, conta um ministro, considera a seleção do substituto de Guido Mantega na Fazenda como “a” escolha de seu segundo mandato. Ela reconhece que o PIB pífio e o distanciamento do setor privado quase inviabilizaram a sobrevivência do projeto governista inaugurado em 2003. E que esta situação, expressa na apertada vitória, impõe mudança de rumo. Mas tal mudança, diz o ministro, não pode passar um sinal de rendição. Dilma acha que derrotou não só o PSDB, mas o próprio “mercado”, inimigo do Planalto.

Número dois na Fazenda nos 29 meses iniciais do atual governo, Barbosa é o predileto de Dilma por algumas razões. É um economista desenvolvimentista como a presidenta. Já conhece a máquina pública federal, experiência importante numa área hoje a exigir medidas rápidas. Está acostumado com o estilo detalhista e centralizador da mandatária.

De quebra, ele conta com um defensor importante, o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Uma das vozes mais ouvidas por Dilma, Mercadante tem dito no Planalto ser favorável à escolha de Barbosa para o cargo que um dia ele mesmo cobiçou.

Tempos atrás, Dilma já tinha tentado ter Barbosa por perto novamente. Autorizou a então chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a sondá-lo para ser secretário-executivo da pasta. Ele não aceitou, segundo um ministro, por acreditar na repetição de um dos mais fortes motivos de sua saída: o choque com secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustín.

Amigo de Dilma, Augustín sempre prevaleceu em resoluções presidenciais em assuntos em que Barbosa pensava diferente. Por isso, é praticamente certo que o secretário deixará o cargo caso o ex-companheiro volte à Fazenda. A saída já deverá por si servir como um calmante no “mercado”. Augustín personifica a criticada “contabilidade criativa” nas contas públicas.

Do ponto de vista de Dilma, Barbosa tem ainda a favor uma vantagem simbólica. Como é ligado ao Instituto Lula, onde participa de reuniões sobre economia, sua escolha não poderia ser interpretada como algum tipo de ruptura entre criador e criatura. Uma circunstância valiosa levando-se em conta a visão de Lula sobre o atual momento e o protagonismo político que ele terá a partir de 2015.

O ex-presidente acredita que Dilma precisa abrir o governo a todos os setores econômicos, um pouco como ele fez ao assumir o Planalto em 2003, quando montou uma equipe com um industrial no Ministério do Desenvolvimento, um ruralista na Agricultura e um banqueiro no Banco Central.

Nos últimos dias, especulou-se sobre Lula ter sugerido para a Fazenda o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco. Há razões para supor que a sugestão partiu mesmo dele. Quando o nome surgiu na mídia, um ministro de Dilma que trabalhou com Lula comentou com um assessor que era coisa do ex-presidente. Um conselheiro de Lula diz não ver problema na escolha de Trabuco. Em 2013, Lula sugeriu a Dilma que trocasse Mantega pelo banqueiro Henrique Meirelles, seu chefe do BC de 2003 a 2010.

Pelo que se ouve em salas do Planalto, Dilma parece ter recebido com perplexidade a sugestão de indicar Trabuco. Ela até gosta dele, a quem já recepcionou no Palácio. Mas como nomear um banqueiro após sua campanha – desenhada e executada inclusive com a participação de Lula - ter amaldiçoado Neca Setúbal, apoiadora de Marina Silva, e Armínio Fraga, aliado de Aécio Neves?

É verdade que há elementos capazes de minimizar a contradição. Trabuco não é um falcão do sistema financeiro. Formou-se em uma faculdade de filosofia e fez pós-gradução em sócio-psicologia. Comanda um banco algo mais afinado com clientes de baixa renda, e nem é dono da instituição. Insuficiente, porém, para Dilma. Quando no ano passado Lula sugeriu-lhe Meirelles, ela disse a um ministro que seria “renunciar a um pedaço do seu governo”. É como vê a situação agora.

Resta saber como Dilma e Lula vão se entender. E o suspense deve-se manter ainda por umas duas semanas. Nos dias 15 e 16, haverá reunião de Cúpula do G20, o grupo dos vinte países das maiores economias do planeta, em Brisbane, na Austrália. Dilma irá acompanhada de Guido Mantega. Se o substituto do ministro for anunciado antes disso, Mantega terá pouca autoridade moral no encontro.