Você está aqui: Página Inicial / Política / Movimento Passe Livre diz que governo não apresentou propostas concretas

Política

Encontro com a presidenta

Movimento Passe Livre diz que governo não apresentou propostas concretas

por Agência Brasil publicado 24/06/2013 19h18, última modificação 24/06/2013 19h20
Grupo afirmou estar satisfeito por Dilma Rousseff compreender o transporte público como um direito, e não um serviço
Antonio Cruz/ABr
dilma.jpg-3392.html

Movimento Passe Livre diz que governo não apresentou propostas concretas

Por Luana Lourenço e Sabrina Craide*

Brasília – Integrantes do Movimento Passe Livre (MPL), que foram recebidos na tarde desta segunda-feira 24 pela presidenta Dilma Rousseff, não saíram satisfeitos do encontro, apesar de reconhecer a abertura do diálogo. “Eles [governo] não mostraram nenhuma pauta concreta de fato para modificar a situação do transporte no país, que é de fato muito precária, como podemos ver pelas mobilizações que seguem firmes neste sentido”, disse o estudante Marcelo Caio Nussenzweig Hotimsky, ao sair do encontro.

Hotimsky disse que ficou satisfeito por ver que Dilma compreende o transporte público como um direito, e não como um serviço. Segundo o estudante, ela também se comprometeu a trabalhar pelo controle social dos gastos com os transportes, para que a população possa ajudar na fiscalização do dinheiro público investido no setor. O MPL foi um dos grupos organizadores das manifestações em São Paulo contra o aumento da tarifa do transporte público.

Os estudantes voltaram a defender sua principal demanda, que é a tarifa zero no transporte público. Segundo eles, tem de ser uma decisão política do governo. “O transporte, assim como a saúde, a educação, é um direito e, portanto, não deveria ter tarifa, não deveria ser cobrado. E dissemos à presidenta justamente que existem diversas formas de subsidiar isso”, disse Hotimsky.

Mayara Vivian, também integrante do Movimento Passe Livre, destacou igualmente que a reunião não trouxe medidas concretas. “Existe o convite de um próximo diálogo – o movimento é aberto, mas sinalizamos que a luta não para, a luta por tarifa zero continua, sim, e o diálogo não anula este processo.” Ela também considera política a decisão para implantação da tarifa zero é política. “Se tem dinheiro para construir estádio, se tem dinheiro para a Copa do Mundo, tem dinheiro, sim, para tarifa zero. É uma urgência, uma medida emergencial.”

A presidenta Dilma recebeu os integrantes do movimento antes de iniciar uma reunião com os governadores e prefeitos de capitais para debater propostas para atender às principais reivindicações apresentadas nos protestos que vêm ocorrendo em todo o Brasil.

*Publicado originalmente em Agência Brasil.