Política

Investigação

Moro aceita nova denúncia contra Lula na Operação Lava Jato

por Redação — publicado 19/12/2016 18h55, última modificação 19/12/2016 18h55
Ex-presidente responderá pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro relacionados à Odebrecht
Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O juiz federal Sergio Moro aceitou nesta segunda-feira 19 uma nova denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Agora, Lula passa a ser réu em cinco ações penais: três no âmbito da Lava Jato, uma na Operação Zelotes e outra na Operação Janus.

Nesta ação, Lula responderá pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, o ex-presidente participou de um esquema para desviar valores de contratos assinados entre a Odebrecht e a Petrobras. 

Outras oito pessoas também foram denunciadas, entre elas o advogado de Lula, Roberto Teixeira, a ex-primeira-dama Marisa Letícia, e o empresário Marcelo Odebrecht. 

Segundo os investigadores, uma das formas de propina se deu por meio da compra e manutenção da sede do Instituto Lula, em São Paulo, pela Construtora Norberto Odebrecht. O negócio de mais de 12 milhões de reais teria sido intermediado pelo ex-ministro Antonio Palocci e seu assessor, Branislav Kontic, também denunciados.

A denúncia afirma ainda que uma cobertura vizinha à que Lula mora em São Bernardo do Campo foi comprada pela Odebrecht por R$ 504 mil e dada ao ex-presidente. A defesa de Lula e Marisa Letícia afirma que o casal jamais foi beneficiado com os imóveis indicados. De acordo com os advogados, o recebimento da denúncia pelo juiz Sergio Moro "reforça a realidade de que agentes do Estado, sem qualquer isenção, usam processos judiciais para perseguir Lula".

O Instituto Lula também se manifestou e afirmou que nunca teve outra sede. O imóvel onde funciona até hoje, diz a nota, foi adquirido em 1990 pelo Instituto de Pesquisas e Estudos do Trabalhador (Ipet).

"O instituto sempre recebeu doações legais, declaradas e dentro da lei. O ex-presidente Lula nunca solicitou vantagens indevidas e sempre agiu dentro da lei antes, durante e depois da Presidência da República".


* Com informações da Agência Brasil